Emoção em campo

01-capa-suburbana

Temporada 2013 da Suburbana é marcada pelo equilíbrio e jogos emocionantes

 

O tradicional campeonato amador de futebol de Curitiba apresenta em seus campos de bairro uma mescla de jogadores experientes com jovens revelações. A competição de 2013 durou seis meses e chegou ao fim no sábado, dia 7 de dezembro. A disputa, que teve início no dia 29 de junho, com 12 equipes, foi decidida após três confrontos entre Trieste, de Santa Felicidade, e Santa Quitéria, na grande final da Suburbana.

Uma das grandes contratações deste ano foi a do Combate Barreirinha, que trouxe o jogador campeão mundial de clubes em 2006, pelo Internacional-RS, e autor do gol do título contra o Barcelona, Adriano Gabiru. Outro experiente jogador que disputou o campeonato foi Flávio, zagueiro que jogou pelo Coritiba e teve passagem pela seleção brasileira em 1999, que neste ano defendeu as cores alvinegras do Iguaçu de Santa Felicidade.

02-sub

Foto: Luana Kaseker

O torneio

Durante a primeira fase da competição, Bangu, Trieste, Santa Quitéria e Combate Barreirinha foram os destaques e fizeram as melhores campanhas. Logo no primeiro jogo, dia 29/06, Trieste e Operário Pilarzinho fizeram um confronto eletrizante de seis gols no Estádio Francisco Muraro. O time de Santa Felicidade venceu por 4 a 2 e começou ali, com o pé direito, a busca por mais um título da Suburbana.

03-sub

Torcedores acompanham a temporada 2013 da Suburbana que contou com Santa Quitéria, Iguaçu, Combate Barreirinha e Trieste nas semifinais. Foto: Guilherme Becker

Na parte debaixo da classificação, Novo Mundo, Uberlândia, Capão Raso e União Ahú tiveram as piores campanhas da primeira fase e em um grupo especial disputaram quais seriam as duas equipes que cairiam para a segunda divisão do amador. Na luta contra o descenso, o time do Novo Mundo venceu quatro dos cinco jogos e garantiu a permanência na série principal. O Uberlândia perdeu apenas um confronto e também se manteve na elite. Já o União Ahú perdeu todos os seus jogos decisivos e foi rebaixado, juntamente com o Capão Raso.

Para a segunda fase do torneio, as oito melhores equipes foram classificadas e divididas em dois grupos. No primeiro, Iguaçu, Combate Barreirinha, Bangu e Urano; no segundo, Trieste, Nova Orleans, Santa Quitéria e Operário Pilarzinho. Os dois primeiros colocados após jogos de turno e returno se classificavam para as semifinais.

Após um bom início de competição, o Santa Quitéria caiu de rendimento no início da segunda fase, e a diretoria optou pela troca do treinador. Leandro Chibior deixou o comando técnico e Luizinho, ex-jogador campeão brasileiro pelo Coritiba em 1985, assumiu o posto. A troca de treinador fez efeito e o time reencontrou o caminho das vitórias na competição, encerrando como líder do grupo e garantindo a vaga nas semifinais. O Trieste ficou em segundo e também se garantiu para a próxima fase. No outro grupo, Combate Barreirinha e Iguaçu reinaram e se garantiram nas semifinais.

 

Semifinais

Os confrontos da terceira fase foram Santa Quitéria × Iguaçu e Combate Barreirinha × Trieste. As colônias italianas de Santa Felicidade estavam empolgadas com os clubes na competição. O Iguaçu em busca do segundo título consecutivo e o Trieste atrás de encerrar o jejum de sete anos sem levantar o troféu. Além disso, a equipe triestina foi vice-campeã três anos seguidos: 2009, 2010 e 2011. O último título dos tricolores de Santa Felicidade foi em 2006, justamente quando Ivo Petry era o técnico.

No primeiro jogo, Santa Quitéria e Trieste levaram vantagens para a segunda partida. No Estádio Maurício Fruet, após outra vitória, o Quitéria eliminou os atuais campeões e se garantiu como o primeiro finalista. Já na outra decisão, Barreirinha e Trieste decidiram a vaga nas cobranças de pênalti. Após uma vitória para cada equipe, o time de Santa Felicidade venceu por 5 × 4 nas penalidades e avançou para a final.

 

Decisão emocionante

Santa Quitéria e Trieste fizeram uma das disputas mais emocionantes do Campeonato Amador de Curitiba. Três partidas e mais uma prorrogação de 30 minutos foram necessárias para consagrar o campeão de 2013. Na primeira partida, dia 23 de novembro, no Estádio Francisco Muraro, em Santa Felicidade, o Trieste abriu vantagem e venceu por 3 a 1.

Jogadores do Santa Quitéria e Trieste na emocionante final da Suburbana. E os consagrados campeões da equipe de Santa Felicidade. Foto: Guilherme Becker

Jogadores do Santa Quitéria e Trieste na emocionante final da Suburbana. E os consagrados campeões da equipe de Santa Felicidade. Foto: Guilherme Becker

A segunda partida seria no estádio do Santa Quitéria, mas, por causa de uma bomba lançada ao gramado pela torcida, a equipe perdeu um mando e teve que mandar o jogo decisivo fora de casa. O jogo foi disputado na semana seguinte, dia 30 de novembro, na Arena Vermelha, no Novo Mundo, e o Quitéria precisava vencer para promover a terceira partida. Em caso de empate ou outra vitória triestina o título ficaria para Santa Felicidade.

A punição de não poder jogar em seu campo parecia ter abalado o Santa Quitéria, que saiu perdendo por 2 a 0 o jogo decisivo. Mas em uma incrível virada, a equipe de Luizinho marcou aos 28, 39 e 50 minutos do segundo tempo e forçou a terceira partida, desta vez no seu estádio, por ter tido a melhor campanha na classificação geral.

O terceiro e decisivo jogo foi disputado no sábado, dia 7 de dezembro. Com o apoio do seu torcedor, mais uma vez o Quitéria precisou buscar o resultado. O time saiu perdendo por 2 a 0 e precisava de pelo menos um empate para levar a decisão para a prorrogação. E novamente o time reagiu, com gols aos 13 e 45 minutos do segundo tempo, a partida terminou empatada e foi para a prorrogação.

No tempo extra, a equipe do Trieste jogou durante os 30 minutos com um jogador a menos, após a expulsão de Bezerra, no final do segundo tempo. O Quitéria pressionou e desperdiçou várias oportunidades de garantir o título. Mas, aos 15 minutos do segundo tempo da prorrogação, quando todos já acreditavam na decisão por pênaltis, Marquinhos Lima acertou um chute entre a grande área e o círculo central e fez a festa da colônia italiana. Após sete anos de espera, finalmente a torcida do Trieste pode voltar a gritar “é Campeão”. De acordo com Marquinhos Lima, autor do gol que garantiu o 12º título do Campeonato Amador de Curitiba ao Trieste, “A gente nunca deixou de acreditar e esse gol vem para coroar o campeonato”.

Quatro jogadores do time campeão da Suburbana 2013 irão disputar o Campeonato Paranaense 2014

Os campeões

O título do Trieste premiou o trabalho do treinador Ivo Petry e o investimento do clube na formação da equipe. O treinador multicampeão já havia ganhado a Suburbana pelo Combate Barreirinha em 2004 e 2007, além do título pelo Trieste em 2006. Neste ano, o técnico ganhou a Taça Paraná pelo Internacional de Campo Largo no primeiro semestre e de lá trouxe a base da equipe para trabalhar no Trieste.

O time triestino revelou alguns jogadores que disputarão o campeonato profissional em 2014. O atacante Batata disputará o Campeonato Paranaense pelo Operário de Ponta Grossa. Marquinhos Cambalhota e Marquinhos Lima defenderão as cores do Cianorte e o atacante Pequi jogará pelo Grêmio Metropolitano de Maringá.

05-sub

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *