Curtas. Ed. 148

analfabetismo_1-Fabio-Pozzebom-ABr

Foto: Fabio Pozzebom/ABr

Brasil analfabeto
O Brasil é o oitavo país do mundo em número de analfabetos. Há 774 milhões de adultos analfabetos no mundo. Desse total 72% vivem em 10 países. Entre eles o Brasil. A Índia encabeça a lista. No Brasil há 13 milhões e 200 mil analfabetos com 15 anos ou mais, o que lhe confere a oitava colocação. Os dados são de levantamento divulgado pela Unesco.

 

Mal na fotografia
Ninguém deseja nenhum mal à presidente da República. Pelo contrário, todo mundo reza – sobretudo seus 39 ministros – para que o humor de Dilma fique cada vez melhor. É preferível pensar que a cara dela naquela foto com o cozinheiro Joachim Koerper, no restaurante Eleven, de Lisboa, fosse de desconforto com um sapato apertado. Do contrário, era a cara de uma gerentona se dando conta de que algo lhe fugira ao controle.

 

Quem fiscaliza
As obras bancadas pelo BNDES no exterior não são fiscalizadas pelo Tribunal de Contas da União, Ministério Público Federal ou qualquer órgão de controle. É o caso do financiamento de US$ 684 milhões do Porto Muriel, em Cuba. A condição do BNDES sempre é a mesma, em países latino-americanos ou africanos: entregar a obra à empreiteira brasileira, cuja escolha não tem licitação, nem auditorias. Dilma anunciou mais US$ 360 milhões para bancar o aeroporto de Havana.

 

Pizzolato
Foragido desde 15 de novembro, Henrique Pizzolato foi preso em 5 de fevereiro na Itália. Condenado a 12 anos e sete meses pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato, cumprirá a pena em regime fechado. No Mensalão, foi acusado de liberar irregularmente o repasse de R$ 73 milhões da Visanet para a DNA Propaganda, agência de publicidade da qual Marcos Valério era sócio. Pizzolato estava na lista de procurados pela Interpol.

 

Chamou a cavalaria
A presidente Dilma Rousseff (PT) autorizou as Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) a reprimir manifestações, em especial durante a Copa do Mundo. Uma portaria, assinada por Dilma, está em vigor desde 20 de dezembro de 2013. Dilma abre um precedente, sem tamanho, que pode ser usado em qualquer tipo de evento ou protesto no país.

 

Preço da corrupção
As manifestações de junho do ano passado continuam rendendo frutos, e a lei anticorrupção, que punirá empresas envolvidas em atos ilícitos contra o poder público, é um deles. A nova legislação passou a valer a partir do dia 29 de janeiro e pretende ser mais uma ferramenta para estancar o dreno de recursos que a corrupção representa no Brasil. Um estudo da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), elaborado em 2012, projetava que entre 1,38% e 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB) se perdiam entre ações corruptas no país. Equivale a, no mínimo, uma perda nominal entre 61,7 bilhões de reais e 101,2 bilhões de reais.

 

PT novamente punido
O TRE-PR ampliou a punição ao PT e decidiu que o partido de Gleisi Hoffmann vai perder mais 30 minutos nos programas eleitorais de rádio e televisão. O PT do Paraná foi condenado por propaganda extemporânea e irregular e o partido já havia perdido 16 minutos nos programas. O pleno do TRE negou provimento ao recurso da defesa do PT. Fez mais. Por decisão da maioria, estendeu a punição para 30 minutos.

 

Internet pior que a do Cazaquistão
Mais uma na conta de Paulo Bernardo, ministro das Comunicações. No ranking de velocidades médias da internet o Brasil foi rebaixado pela terceira vez consecutiva. Com uma velocidade de 2,7 megabits por segundo o Brasil fica com a 84ª posição do ranking, que considerou 140 países. A rapidez na internet tem sido prometida em verso e prosa por Bernardo. O maior país da América Latina conta com apenas 0,9% das conexões de internet com velocidade superior a 10 Mbps. Com esta velocidade média, o Brasil fica atrás de países como a Turquia (4 Mbps), Cazaquistão (3,5 Mbps) e Iraque (3,1 Mbps). A posição do Brasil também é pior que a da maioria dos vizinhos da América do Sul analisados no estudo.

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *