O espaço de Nilo Biazzetto Neto

01-capa-151-ensaio

Durante a conversa que tive com Nilo Biazzetto Neto, fotógrafo e proprietário da Portfólio – Escola de Fotografia, meus pensamentos voltaram ao final da década de 60 e o começo da de 70, século XX. Enquanto ele falava de suas aspirações, de sua vontade de trabalhar naquilo que mais gostava, da luta em abrir um espaço e que este lhe desse satisfação pessoal e meios de subsistência, da sua trajetória, enfim, lembrei-me da minha própria busca, dos meus próprios anseios. Minha mulher Carmen Lúcia, que escutou parte de nossa conversa, depois da saída do Nilo, comentou: este moço me lembra você há alguns anos.

Muitos anos, digo eu. Talvez essa tênue comparação se deva a uma vontade, constante e estável na procura de uma atividade que traga, mais do que qualquer outra coisa, a satisfação e a realização. A felicidade e a gratificação de se poder fazer aquilo que se gosta.

O curso de publicidade e propaganda da PUCPR abriu-lhe os olhos para a fotografia. Começou a fotografar com 19 anos. Para um melhor desenvolvimento frequentou aulas de fotografia e laboratório com Genésio Siqueira. Adepto do surf e de viagens, viajou para o Peru com sua primeira câmera, uma Olympus OM1. A partir daí, durante quatro anos, não parou de fazer cursos e se aperfeiçoar com a convivência e a troca de experiência com vários fotógrafos.

Mas não só a arte da fotografia autoral lhe despertava o interesse. Queria mais. Sentia que transmitir a outros a sua vivência com a arte fotográfica, as suas aspirações, complementaria o seu trabalho como fotógrafo. Em 1998, abriu seu espaço, seu estúdio. No ano 2000, a sua escola de fotografia, a Portfólio. Daí para o contato com vários fotógrafos de nome no Brasil, publicação de livros e uma galeria para exposições e venda de trabalhos foi um clique. Gente como German Lorca, Pedro Martinelli, Luiz Garrido, Walter Firmo trocaram ideias, experiências e expuseram na sua galeria.

Nilo busca com afinco o trabalho pessoal. E alia o seu trabalho ao de outros, amigos e alunos, a oferecer novas visões e experiências que se concretizam em exposições e livros. Um de seus projetos é o que deu o nome de “Liberdade Fotográfica”, já publicado na Ideias com texto de Marisa Villela.

Do material que me foi apresentado, escolhi “Chuva”. Escolha, como sempre pessoal, que penso dar uma pequena mostra do trabalho do Nilo.

 

 

foto-04_9794

 

 

 

foto-03_9322

 

 

 

foto-02_9799

 

 

 

foto-01_9313

 

 

 

foto-06_9795

 

 

 

foto-07_9790

 

 

 

foto-08_9321

 

 

 

foto-09_9329a

 

 

 

foto-10_9293a

 

 

 

foto-11_9289

 

 

 

foto-12_9801

 

 

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *