Concentração máxima

Compositor, instrumentista e arranjador, Vicente Ribeiro é carioca que está emprestado à terra dos pinheirais há muitos anos e aqui derrama seu sotaque charmoso, espalha suas possibilidades artísticas, torce por seu tricolor e melhora nossa vida.
Ele é músico de fato e de direito, desde sempre teve todas as inclinações sonoras e resolveu que a vida seguiria por esse caminho: seminários, aulas, graduação, mestrado, tudo sempre na música, sem alternativa.

Muita gente o conhece por seu trabalho como arranjador d’O Tao do Trio e de diretor e regente do Vocal Brasileirão, grupo da Fundação Cultural de Curitiba. Outros navegam nas lembranças de seus shows impecáveis, nas tapeçarias em discos alheios, nas delicadezas de suas invenções, no seu violão e piano de mestre.

Vicente não corre atrás de aprovação de ninguém e nem procura unanimidade, por isso não se incomoda quando a turma da reclamação pinta, até isso é elogio para o seu ofício: tem gente que reclama de suas exigências de concentração, de seriedade e de entrega à música. Perto dele ninguém pode ser mais ou menos.

Depois de anos de experiência, aprendi com ele como fazer programação de rádio, a melhor que ouvi até agora: os temas combinam em sequência, em arranjo, em vozes, em instrumentos; se intercalam e se complementam a contar uma história de três horas no dial, com princípio, meio e fim, sem texto, sem explicações, sem qualquer outro elemento que não seja a própria música. Fino bordado que exige sensibilidade e repertório, coisa para poucos, para raros, acho que só para o Vicente!

Adriana Sydor

vicente

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta