Vizinho

Pretty_girl_watching_TV

Carminha sabia que ele a olhava pela janela. Não era raro que o pegasse debruçado na soleira, com olhos fixos em seu quarto. Nenhum disfarce, nada de constrangimento, o vizinho rasgava um sorriso de canto de boca, acendia cigarro e ficava posicionado. Olhos de felino.
No começo ela trocava de cômodo, pegava rápido o vestido do armário, puxava lingerie da gaveta, voltava para o banheiro e se vestia lá, protegida pelos azulejos suados.
Quando lembrava, fechava as cortinas antes de ir pro banho e aparecia na janela vestida, intimidades preservadas.

Carminha dizia que não, mas gostava de saber que o rapaz a olhava. Se se escondia era só por um certo pudor e para fazê-lo sofrer um pouquinho. Acha que sou dessas, é?
Quando o 401 foi alugado e uma loira muito cheia de liberdades passou a viver sua rotina com janelas e cortinas abertas, Carminha virou segunda opção. Se incomodava quando o voyeur se instalava na lavanderia para assistir a movimentação do 401.

Tomou decisão. Vidros escancarados, luz acesa, voltou do banho semicoberta e tratou dos detalhes: creme nas pernas, massagem nos braços, pente nos cabelos, toalha no chão. Ritual vagaroso, cheio de detalhes, desfrute em cada milímetro do corpo. Carminha não virou para o outro lado do pátio, mas sentiu o vizinho vidrado na cena.
Dia seguinte foi para o trabalho com uma felicidade diferente estampada no rosto. Provocar o outro havia deixado-a mais confiante, passadas firmes, fenda na roupa, batom, cabelos ao vento. Passou o dia esperando a hora de voltar pra casa.

Desceu do ônibus e o descarado estava pendurado na janela, posição de vigília. Quando cruzou com a loira no corredor do prédio, olhou-a de cima a baixo, reparou em seus modos e planejou superá-la.

Todas as noites Carminha entrava em cena, musa única, monólogo sem palavras, borboleta solitária. Arrumou variações para o número, cada vez de um jeito: tirava peça por peça antes de ir para o banho, passeava só de calcinha pelo quarto, provava roupas diferentes, tomava sorvete que vez ou outra lhe pingava no seio.
Os meses passavam e ela inventava forma de surpreender o admirador.
Numa manhã de sábado foi acordada pela movimentação no prédio. Mudança. A loira do 401 estava abandonando o endereço. Com ela foi embora também a diversão de Carminha.
Sem rival, a motivação de suas noites de exibicionista estancou, fechou a cortina e voltou para a novela.

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *