Prateleira. Ed. 156

Secura ou enchente?

vidas_secas_livro

Foto: Divulgação

Graciliano Ramos, autor de Vidas Secas, publicado em 1938, faria anos em outubro, assim como Vinicius de Moraes, Fernando Sabino, Mário de Andrade. Todos eles com uma admirável obra. Porém, Graciliano diz qualquer coisa a mais, ele, com esse romance, mostrou o Brasil, o regional, fez com que aprendêssemos a ver as partes do Brasil, os brasis. A história é sobre uma família sertaneja que foge da seca à medida que ela chega. Se você não leu, não conte a ninguém e saia dessa vida seca que está a levar sem conhecer Vidas Secas. Se você já leu, inunde-se de Graciliano Ramos e leia de novo, e de novo, e de novo, e de novo...

Sexo é livre, Sexo é livro

reproducao_site_pxleyes

Foto: Reprodução/ site pxleyes

A editora Hedra lançou um novo selo, Sexo. Não é para tratar de psicologia, das formas e tamanhos, melhores posições ou como manter uma relação depois dos cinquenta anos ou depois dos vinte de casado. É literatura da boa. A proposta é reeditar oito clássicos e como carne nova é carne boa, não abriu mão de uma edição inédita.

Em 2014 abriu com três volumes. Flossie, a Vênus de 15 Anos, de 1897, escrita por Charles Swinburne, conta a história de uma virgem de 15 anos que está à disposição de um capitão. O Outro Lado da Moeda, de 1893, verdadeira sacanagem literária, escrita a várias mãos, mas com crédito a Oscar Wilde, trata de um romance homossexual entre um músico e um jovem. E, por fim, a inédita Tudo que eu pensei mas não falei na noite passada, de 2014. Assinada por Anna P., o livro fala das peripécias sexuais de uma mulher.

Sexo já tem mais quatro volumes para 2015. A Vênus das peles (1870), Discursos Ímpios, romance do século 18, Autobiografia de Uma Pulga (1885) e O Novo Epicuro: as delícias do sexo (1865).

 

Daniel e Bianca

Foto: Dico Kremer

Foto: Dico Kremer

Daniel e Bianca – mini-histórias para curtir é um livro especial. Atende a todas as idades, dos menores aos maiores. E vai agradar, alegrar e fazer muitas pessoas meditar. É uma compilação de tiradas, frases de seus dois filhos, Daniel e Bianca, selecionadas pelo publicitário Jorge Uesu Junior. A ideia não é nova. Pedro Bloch, fonoaudiólogo, jornalista, dramaturgo, poeta, escritor, ucraniano naturalizado brasileiro, escreveu mais de 100 livros infanto-juvenis. Da minha infância, lembro-me bem de um: Criança diz cada uma! Era uma compilação de frases que ouvia de crianças entre 3 a 11 anos em seu consultório. A edição, se não me falha a memória, era das Edições de Ouro.

Jorge, com auxílio de sua mulher Walkiria, foi pacientemente anotando os comentários, as observações, as tiradas de seus filhos. E assim nasceu o livro. Alguém pode argumentar: sim, mas existem já outros livros com o mesmo assunto, também interessantes. É uma maneira de ver. Eu vejo um pouco além, nesses tempos atuais onde, na maioria das vezes, cada um olha somente para si mesmo. A educação, muitas vezes negligenciada em casa, é deixada a cargo de educadores, das escolas. Pouco tempo, com as exceções de praxe, é dedicado à compreensão e educação das crianças. Cada um vive em seu próprio mundo, com seu celular, ipad, computador, TV e que tais. As conversas acabaram ou, se quiserem, diminuíram. Conversa-se agora mais via equipamentos eletrônicos. A comunicação, o bate-papo é eletrônico. O que Jorge e Walkiria fizeram foi ir além de uma mera compilação. Ao perceber e pensar sobre o que os seus filhos diziam, comentavam, argumentavam, interagiram com eles, dando-lhes uma coisa muito rara hoje em dia: o seu tempo, que vai além das horas de lazer. O pequeno livro mostra mais que frases engraçadinhas, tiradas espirituosas. É uma forma de dizer a todos que o tempo, aliado ao amor e à compreensão, é a melhor maneira de formar e educar os filhos e torná-los cidadãos.
E para coroar o conteúdo, a diagramação é primorosa, bem como as ilustrações de Guilherme Match.
Dico Kremer

Às crianças

mpb

Foto: Revista Ideias

Outubro, entre outras coisas, é o mês das crianças, e elas também precisam de arte, cinema e, principalmente, literatura e música. Adriana Sydor, colunista de música da revista Ideias, escreveu às crianças uma coletânea de dez volumes sobre música popular brasileira – MPB para Crianças. Entre os nomes estão Tom Jobim, Pixinguinha, Elis Regina e os aqui da terra Nhô Belarmino e Nhá Gabriela. As boas línguas dizem que estão por vir mais dez, com alguns possíveis nomes já selecionados, como Vinicius, Cartola e Cazuza. Aguardaremos...

 

Deixe uma resposta