Cenas de casamentos

capa-ensaio-169

Das várias modalidades de fotografia uma que mais se destacou nos últimos anos pela criatividade e inventividade foi a fotografia social ou fotografia de casamento. O registro da cerimônia religiosa ou civil e da festa de recepção era o convencional. De alguns anos para cá profissionais da área começaram a fazer um acompanhamento fotográfico do antes da cerimônia e da festa: a noiva a ser maquiada, a provar o vestido, o noivo a se arrumar, fotos em jardins ou parques, os padrinhos e madrinhas etc. O enfoque mudara.

Hoje há uma nova tendência, uma mistura entre a fotografia social e a fotografia documental ou a fotojornalística. O fotógrafo dá asas a imaginação, sugere locais externos ou internos e compõe o casal com cenários, enquadramentos e luz, em vários ambientes. O passo inicial foi dado por fotojornalistas que queriam ganhar um dinheiro extra com a fotografia social, aproveitando sua experiência com a fotografia de atualidades, de jornal. Curiosamente os pioneiros foram os que tinham experiência em cobrir guerras. Da guerra à paz.

Na Europa, onde as pessoas se casam de dia e não a noite como acontece no Brasil, é mais cômodo para todos os envolvidos. No próprio dia das núpcias o fotógrafo cobre o acontecimento. Com o advento da internet as uniões entre pessoas de países diferentes disparou. E aí os noivos fazem a opção de casar no país da noiva ou do noivo ou em um terceiro país.

Juliana Wiklund é uma curitibana, designer formada pela UFPR, ex-professora de inglês, poliglota, fotógrafa filiada ao prestigioso WPJA (Wedding Photojournalist Association – www.wpja.com) que hoje mora em Estocolmo, Suécia, com o marido e os filhos.

Sua intimidade com a arte fotográfica começou nos Estados Unidos quando participou do AFS-USA. De lá trouxe a sua primeira câmera. Durante o curso de design costumava fotografar seus colegas. Com o seu talento para fotografar pessoas era convidada a fotografar casamentos de amigos. Lá atuava como uma fotógrafa extra, ao lado dos profissionais contratados. Na universidade, junto com uma amiga, fez um projeto sobre a Ilha do Mel registrando com sensibilidade os aspectos da ilha.

Em 1999 foi para a Suécia e conheceu o seu futuro marido. Aprendeu sueco em dois meses graças aos conhecimentos que tinha de outras línguas e foi contratada por uma empresa internacional de informática para trabalhar como designer. A exemplo do que fazia no seu curso em Curitiba também fotografava seus colegas da empresa. Com a chegada de seus filhos, em licença maternidade, fotografava os seus e as outras crianças num programa de interação com as mães, como é hábito de socialização na Suécia. Choveram pedidos para fazer mais fotos, agora com toda a família. Como pagamento cobrava só o que gastava com filmes e com as cópias. Em 2002/2003 uma pequena crise econômica se abateu no país, principalmente entre as empresas de informática, e ela foi dispensada do emprego. E a partir daí Juliana começou a sua carreira de fotógrafa profissional.

Aos poucos começou a conquistar um nome graças ao seu imenso talento. E a prova disso está na sua aceitação como associada a WPJA.
Mas Juliana não fotografa somente casamentos. A fotografia é a sua vida e a sua paixão. Em seu site escreveu: “Juliana Wiklund photography, capturing your passion for life and your love around the world!”
Tive um imenso prazer de conhecê-la, de conversarmos e de ver o amor que dedica a arte da fotografia.

Aos interessados seguem dois links para melhor apreciação do seu trabalho: julianawiklundweddings.com e julianawiklund.com
É recomendada uma cuidadosa e paciente visita.

 

1)_Iceland

Iceland

 

2)_Tromso-Norway

Tromsö, Norway

 

3)_Icehotel-Sweden

Icehotel, Sweden

 

4)_Crete-Greece

Crete, Greece

 

5)_Gize-Egypt

Gize, Egypt

 

6)_Lille-France

Lille, France

 

7)_Curitiba-Brazil

Curitiba, Brazil

 

8_Mani-Greece

Mani, Greece

 

9)_Cairo-Egypt

Cairo, Egypt

 

10)_Tokyo-Japan

Tokyo, Japan

 

11)_Tokyo-Japan

Tokyo, Japan

 

12)_Stockholm-Sweden

Stockholm, Sweden

 

13)_France

France

 

 

Leia mais

Um comentário

Deixe uma resposta