Curtas. Ed. 169

Negócios da China

(Beto Richa. Foto: Orlando Kissner/ANPr)

Enquanto a oposição nativa, ao melhor estilo do baixo clero, discute sobre a escala do governador Beto Richa em Paris, ele firma acordos com os chineses que trarão investimentos importantes para o Estado, num momento em que a poupança interna foi corroída justamente pela turma que lhe ataca, o pessoal do PT e seus assemelhados. Firmou um acordo de intercâmbio e cooperação com a província de Anhui, na China. Envolve áreas como educação, inovação, transporte urbano, energia e agricultura.

 

 

Ativista da APP preso

A prisão do professor Roberson Francisco de Oliveira, por causa de contrabando de lunetas para armas de fogo, poderá sobrar até mesmo para a APP-Sindicato. Tudo porque as postagens que o ativista fez nas redes sociais durante a greve dos professores mostram que as manifestações na Assembleia Legislativa, em abril passado, foram organizadas com a intenção de entrar em conflito com o aparato policial. Pois, pois, o black bloc da APP-Sindicato estava na briga com a polícia.

 

 

Fazendo as contas

As novas pedaladas fiscais de 2015, apresentadas em representação do Ministério Público ao TCU não deverão ser aditadas ao pedido de impeachment feito por Hélio Bicudo. Serão a base de novo pedido que está sendo redigido pela oposição. De acordo com documento do MP, o governo federal atrasou a transferência de R$ 40,2 bilhões aos bancos públicos no primeiro semestre de 2015.

 

 

Dois pesos, duas medidas

A tropa de choque de Cunha diz que Fernando Baiano citou vários peemedebistas de proa em sua delação. O não vazamento dessas informações é creditado a zelo do Planalto para preservar aliados de Dilma. Cunha cobra que a investigação contra ele adquira “o mesmo ritmo” destinado ao inquérito contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que ainda não foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

 

 

Lula mentiu

Mais uma vez. Lula disse: “Eu agora estou vendo a Dilma ser atacada por culpa de umas pedaladas”. Haja safadeza. Quer dizer que Dilma estuprou a lei porque só pensa nos pobres? Quer dizer que o crime deixa de existir se uma fatia do produto do roubo é reservada aos desvalidos? Se é assim, Lulinha está dispensado de caçar álibis para safar-se da história dos R$2 milhões desviados da Petrobras que foram parar em seu bolso por gentileza do parceiro Fernando Baiano.

 

 

PAC empacou

Lembram das solenidades de lançamento? Da festa, com direito a bumbos e trombones que o PT, comandado pela senadora Gleisi Hoffmann, fazia? Lembram das visitas de Dilma Rousseff, com pompa e circunstância para declarar o início das obras? Pois, pois, tudo não passou de farsa. A menos de três meses para o fim do ano, oito das 15 obras de infraestrutura previstas para o Paraná no PAC não receberam nem um centavo do governo federal. Entre elas, estão seis obras rodoviárias, uma no Porto de Paranaguá e uma na fronteira do estado com países vizinhos.

 

 

Farra pirata

O comércio ilegal é a “segunda maior economia do mundo”, movimentando cifras que são comparadas ao PIB da China, de acordo com novo estudo da Euromonitor. No ano passado, a pirataria teria gerado perto de US$ 12 trilhões, segundo estimativas da consultoria. Ou seja: esse mercado corresponderia, hoje, por até 15% da economia do planeta.

 

 

Prioridades

Nas prioridades de Dilma Rousseff estão a aprovação de medidas capazes de desafogar as finanças de estados e municípios: o novo ICMS e o retorno da CPMF. O embate em torno do impeachment paralisou o Congresso. Ele se tornou tema único de deputados e senadores. Nem os vetos à pauta-bomba tiveram condições de serem votados.

 

 

Sem base legal

Nove entre dez juristas de renome acham que não há base legal para as liminares do Supremo em relação a pedidos de impeachment na Câmara. Para eles, é uma intromissão no regimento interno da Casa, que será a sustentação do recurso a ser apresentado à Alta Corte. E acreditam que é mesmo uma interferência abusiva do Poder Judiciário no Poder Legislativo.

 

 

Deixe uma resposta