A Angola de Neni Glock

(9)-Huambo-10

O fotógrafo e cineasta Neni Glock é curitibano, da mesma forma que eu, hoje uma raridade na cidade. Foi morar em Portugal no fim de 1990. Eu fui na metade daquele mesmo ano. Voltei no fim de 1997, Neni voltou em meados de 2012. Nunca lá nos encontramos. Vim a conhecê-lo e ao seu trabalho, há menos de um mês. Antes tarde do que nunca.

Neni fotografa e faz vídeos documentários. Para esses escreve o roteiro, dirige, fotografa, opera a câmera e edita. Em Portugal vendeu vários filmes para a RTP 2, emissora estatal com programação voltada a cultura. Fotógrafo freelancer trabalhou para várias publicações portuguesas. A Gradiva e a Editorial Caminho, editoras portuguesas, publicaram dois livros de sua autoria: “Os Eléctricos de Lisboa” e “Tejo”, respectivamente.
Andou pela África, Moçambique e Angola, países de língua portuguesa, a realizar projetos, filmes e fotos.

Do seu vasto portfólio fotográfico fiquei muito sensibilizado com suas fotografias em Angola. Com um projeto, em 2009, realizou vídeos para o Instituto Marquês de Vale Flor, ONG portuguesa de apoio ao desenvolvimento em países de língua portuguesa. Filmou e fotografou o Projeto de Abastecimento de Água para uma zona periférica, no bairro da Cazenga na Comuna de Tala-Hady, na capital do país, Luanda, programa Chafarizes. O bairro tem 1.600.000 habitantes que vivem em situação precária quanto ao abastecimento de água e saneamento. Como parte do projeto um grupo de jovens apresenta peças ou histórias com temas direcionados às crianças, para conscientizá-los dos hábitos de higiene pessoal e comunitário. Voltou lá em 2011 para complementar o trabalho. Passo a palavra ao Neni: “Senti uma vez mais de perto a problemática, via a ciranda dos bidons pelas ruas empoeiradas, centenas deles pintando de amarelo e branco a cabeça das mulheres e um vai e vem constante de carrinhos que se cruzam e que tornam a se cruzar. Os chafarizes tornaram-se ponto de encontro das pessoas da comunidade e a alegria natural das crianças mantém o ambiente quase festivo à volta da água, sentimento próprio do povo angolano.”
A seiscentos quilometros de Luanda, em Huambo, Neni fotografou um projeto agropecuário na região. De lá tirei duas fotografias. A do professor e dos alunos.

Cazenga e Huambo. Fotografias de uma porção da vida das pessoas, um momento fixado em x/avos de segundo onde se pode perceber a expressão de alguns sentimentos: alegria, desesperança, cansaço, serenidade, esperança, sacrifício.

Angola é um país emblemático da África. Rico em petróleo, pedras preciosas, ferro, gás natural, sal, agricultura e criação animal, tem uma área de 1.246.700 km2. Depois da saída dos portugueses uma guerra civil tomou conta do país. Desde 1979 José Eduardo dos Santos é o presidente. Sua filha é considerada a mulher mais rica da África. A população é paupérrima. A nomenclatura que serve o Estado é rica. Não é preciso dizer mais nada.
O ótimo trabalho de Neni pode ser conferido em www.neniglock.blogspot.com.

 

(2)-Agua-5

 

(3)-Agua-13

 

(4)-Agua

 

(5)-Agua-19

 

(6)-Agua-20

 

(7)-Agua-

 

(8)-Agua-12

 

(9)-Huambo-10

 

(10)-Huambo-6

 

(11)-Agua-9

 

 

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *