Guido

suz

Não era para ser assim, Guido. Eu já havia planejado o nosso fim e estava decidida a ir embora sem falar, sem despedida, sem desperdício de tempo. Por isso escrevia aquele bilhete quando você chegou. Mas todas as vezes que me olha, quando começa a escorregar as mãos pelas minhas costas, quando enlaça minha cintura… Todas as vezes, eu não consigo mais saber de mim. Por isso que enquanto você me beijava eu pedia para parar, que me apressava em abotoar minha camisa enquanto você puxava minha saia, que fugia dos teus braços. Agora, Guido, eu te peço, já que eu não fui embora, como ainda estou aqui, por favor, não vá, não me deixe. Por favor, não me olhe com esses olhos de adeus.

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *