Expresso, impresso, preciso

gente_fina-dalazen

Por algum tempo tentou ter uma vida comum: trabalhar, pagar as contas e descansar, descansar, pagar as contas e trabalhar. Como todos nós. Vivia com uma insatisfação sufocante e incômoda. Não se sentia em casa. Foi então que Eduardo Dalazen, artista plástico curitibano, resolveu, após mudanças drásticas e sofridas em sua vida, dedicar-se apenas ao que gostava. Jogar todas as suas apostas em sua felicidade. Enfim, retomar seu encontro com a arte. Pelo menos oficialmente.

No ano de 2009, Dalazen entra para o curso de Escultura da Embap, já engatando na graduação em Pintura. Entre diversos cursos e exposições que participou conjuntamente, neste ano teve sua primeira exposição individual no Museu Guido Viaro. De acordo com Guido, neto do artista que dá nome ao museu, em uma visita comentada, Dalazen havia se destacado em exposições conjuntas. Seu expressionismo precisava ter espaço. Era necessário vir à tona.

Veio e continua a vir, caminhando por sua arte, acostumando-se com a caminhada do artista, às vezes árdua, mas sempre gratificante, pois há crença no que se vê. Há vida em cor, há Dalazen criando.

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *