Curtas. Ed. 186

curtas

VIDA FÁCIL
O senador Alvaro Dias recusou a polpuda aposentadoria dada aos ex-governadores, por considerá-la imoral, mesmo que seja legal. É o único ex nativo que não recebe e luta para acabar com sinecura de alto custo para o erário.
Em crise financeira, os governos estaduais gastam pelo menos R$ 35,8 milhões por ano com o pagamento de pensões a ex-governadores e dependentes deles. Os pagamentos são legais, mas tramitam na Justiça várias ações que questionam essas pensões – em fevereiro a Justiça da Bahia suspendeu por liminar (decisão provisória) o pagamento de pensão vitalícia a ex-governadores. Aqui, tudo segue como dantes.

DEDO-DURO
A Justiça Eleitoral identificou mais de 15,6 mil fraudes entre as eleições de 2014 e 2016, por meio do cruzamento de informações biométricas. São eleitores que foram a diferentes cartórios, se passaram por outras pessoas e conseguiram emitir mais de um título, o que é ilegal. Eles foram identificados por meio das digitais. O Estado com o maior número de fraudes identificadas por meio do registro biométrico foi Alagoas, onde 2.188 títulos de eleitor foram considerados irregulares, segundo o levantamento feito pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Em seguida vieram São Paulo (1.733) e Goiás (1.503). Em Goiás, um único homem conseguiu emitir 51 títulos de eleitor, todos em diferentes cartórios. Ele só foi identificado porque em todos os cadastros constava a mesma impressão digital, que é única para cada indivíduo.

PIBINHO
A economia brasileira caiu 3,6% em 2016 em relação ao ano anterior, segundo dados do PIB divulgados pelo IBGE. O resultado veio pior que as estimativas dos economistas consultados pelo Boletim Focus, cuja última previsão para o ano, de janeiro, apontava queda de 3,49% no período. No 4º trimestre, a atividade recuou 0,9% em relação ao trimestre anterior.

JOICE DERROTA LULA
A jornalista Joice Hasselman foi absolvida no processo movido por Lula, que a acusou dos crimes de calúnia, injúria e difamação em razão de comentários feitos em seu blog.

PEGA A PEIXEIRA
A equipe econômica precisa fazer um contingenciamento de gastos de R$ 38,9 bilhões para garantir o cumprimento da meta fiscal de 2017, de um déficit primário de R$ 139 bilhões. Segundo projeção da Instituição Fiscal Independente (IFI) – órgão criado pelo Senado para monitorar as contas públicas – o corte de despesas é necessário porque o crescimento da economia ainda será muito baixo este ano, o que prejudica o comportamento da arrecadação de impostos e contribuições.

INSTÁVEL
Michel Temer já perdeu mais ministros em seu primeiro ano de governo do que Dilma Rousseff no dela. Enquanto Dilma perdeu sete, Temer já perdeu desde maio de 2016 até o começo do mês passado Romero Jucá, Fabiano Silveira, Henrique Eduardo Alves, Fábio Medina Osório, Marcelo Calero, Geddel Vieira Lima, Alexandre de Moraes e José Serra. Os motivos variaram nos dois casos. Dos sete de Dilma, apenas Nelson Jobim não foi por suspeita de nenhum “malfeito”, expressão cara a Dilma na época. Dos de Temer, Medina Osório e Calero saíram fazendo denúncias. Alexandre de Moraes e Serra foram para outros cargos. O restante saiu por suspeita de envolvimento em corrupção.

LONDRINA EM DÍVIDAS
Uma recente audiência pública da Câmara de Londrina escancarou a precariedade das finanças deixadas pela administração de Alexandre Kireeff (PSD). A segunda maior cidade do Estado está à beira do colapso financeiro com previsão de um déficit recorde de R$ 120 milhões para 2017. O demonstrativo apresentado aos vereadores mostra que em três dos últimos quatro anos a prefeitura fechou no vermelho, considerando as fontes de recursos livres: aquelas que efetivamente mantém a cidade, pagam os salários do funcionalismo e os serviços públicos rotineiros. Em 2013 (- R$ 4,3 milhões), 2014 (+ R$ 5,2 milhões), 2015 (- R$ 62,7 milhões) e 2016 (- R$ 64,3 milhões).

PROIBIDAS
A maioria dos brasileiros não concorda com a ideia liberar a maconha e a cocaína para o consumo e fins medicinais, revela levantamento feito pelo Instituo Paraná Pesquisas, realizado em 26 estados com 2020 pessoas. A pesquisa apurou que 70,9% e 84,3% dos brasileiros não concordam com a liberação da maconha e da cocaína, respectivamente. Em fevereiro, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, propôs a legalização da maconha e da cocaína como modo de combater os traficantes e a superlotação dos presídios.

Leia mais

Deixe uma resposta