Meu amigo Flávio Damm

dico00_abre

Quando morávamos em Portugal na década de 1990, fui procurado pelo ator carioca Thiago Justino. Minha amiga, a atriz Sônia de Paula, que já nos havia visitado no Monte Estoril, onde vivíamos, tinha dado o meu contato para ele. Estava com um grupo de atores para encenar uma peça no Teatro da Trindade, em Lisboa. A peça, “A mulher carioca aos 22 anos”, baseada num livro de João de Minas, era dirigida pelo Aderbal Freire Filho. Acompanhavam o Thiago outros atores de teatro que também faziam parte do elenco da TV Globo: Orã Figueiredo, Suzana Saldanha, Gillray Coutinho, Duda Mamberti e Cândido Damm. O grupo estava com um problema com a divulgação da peça e o Thiago perguntou se eu podia ajudá-los. Consultei meu amigo Zezo Carvalho, publicitário e poeta, há alguns anos em Lisboa, e ele conseguiu colocar algumas chamadas nos meios de comunicação da cidade graças aos seus contatos. Junto com minha mulher Carmen Lucia num momento de folga levei Suzana, Orã, Duda e Cândido para conhecer os arredores da capital portuguesa.

Neste passeio vim a saber que o pai do Cândido era também fotógrafo: o famoso Flávio Damm. Flávio e sua mulher Thelma passam todo o fim de ano em Portugal. Um dia recebi um telefonema dele se apresentando e a pedir que eu fizesse uma reserva no seu restaurante favorito para a ceia de Natal. O restaurante é o “Sr. Vinho”, na Rua Meio à Lapa, 18.

Durante alguns anos nos encontrávamos na época do Natal. Thelma e Flávio jantaram em nossa casa e batemos longos papos, recheados das histórias incríveis pelas quais Flávio passou e que conta com muita verve. Quando voltamos ao Brasil, continuamos a nos falar e trocar ideias.

Tive a oportunidade de conversar com a Maristela Quarenghi, diretora do Museu Oscar Niemeyer na época, e ela, conhecedora do trabalho do Mestre, abriu as portas do MON para uma exposição de fotos entre 11/11/2009 e 20/03/2010.

Flávio, do alto dos seus 89 anos, continua a fotografar. Usa uma Leica M-2 e filme P&B Tri-X. Objetiva 50mm. Ele fez parte da geração de fotógrafos que mudou a visão do fotojornalismo brasileiro, junto com José Medeiros, Luciano Carneiro, Eugênio Silva, Henri Ballot, entre outros. Expôs seu trabalho em inúmeras mostras e neste ano será o principal homenageado do Festival Paraty. Tem vários livros publicados. Um em especial, publicado pela Editora Photos de Balneário Camboriú, com o sugestivo título “Preto no Branco – Fotos e Fatos”, mostra o imenso talento do fotógrafo que, além disso, escreve muito bem.

Falar do trabalho de Flávio é, em última instância, falar de um olhar humanista ao cotidiano. Sem preconceito, sem julgamento. Com amor, compreensão e um toque de humor. Enquadramento e luz. Simples assim. Mas com o suporte de uma sólida cultura e de um olhar privilegiado.

Seguem algumas declarações deste gaúcho com o coração carioca.

“Costumo dizer que estou desempregado há 49 anos. Nesse período, não me vinculei a nenhum emprego fixo. Mesmo assim, não parei de produzir, de viajar, de descobrir. Até hoje saio com minha câmera na mão e estou sempre pronto para flagrar o que acontece diante dos meus olhos” (Festival Paraty em Foco, 18/02/2017)

“Uma das grandes características do meu trabalho é que gosto de me aproximar com cuidado e discrição para fazer a foto sem que as pessoas envolvidas na cena se deem conta de que estão sendo fotografadas. Essa espontaneidade é algo que sempre busquei na minha trajetória”, conta Damm. (Festival Paraty em Foco, 18/02/2017)

“Como ‘O Cruzeiro’ foi a primeira revista a ter uma distribuição verdadeiramente nacional, recebíamos cartas curiosas, vindas dos lugares mais distantes. Muitas pautas nasceram a partir das cartas que recebíamos. Era só propor a viagem e a revista bancava, disponibilizava avião e nos levava para onde quer que fosse. Foi assim que viajei pelos cantos mais remotos do Brasil e conheci lugares incríveis. Numa dessas andanças, em Piritiba do Mundo Novo, interior da Bahia, descobri e fotografei uma mulher viúva de doze maridos. Foram experiências tão importantes quanto as viagens para o exterior”, conta. (Festival Paraty em Foco, 18/02/2017)

Minha mulher Carmen Lúcia e eu temos muito orgulho de sermos amigos de Flávio e Thelma Damm.dico09 dico10 dico08 dico06 dico07 dico05 dico04 dico02 dico03 dico01

Leia mais

Deixe uma resposta