DAVID LINCH E O TORPOR

artigo_rones_0_abre

Na dura-mater: o ponto negro e os sonâmbulos catatônicos

Há muito tempo sua estrada perdida (The Lost Highway) pavimentada com seus delírios estrambóticos, não conduz à Oz mas somente ao vácuo, ao nada.

Um niilismo pueril impregna seus passos à custa de pés descalços e poeirentos. Afinal, seu alter ego (Dale Cooper), padece atualmente da síndrome de Cinderela. Lynch vive balbuciando: “Me sei inteligente, me sei inteligente…”

Mas, afinal, o que é a inteligência? Entre outras coisas cabe à inteligência descobrir uma relação ou nexo lógico entre dois fenômenos, algo incomparavelmente mais real e verdadeiro do que os sentidos possam perceber, e não uma descarga de emoções, uma manifestação de agressividade, um insulto, um soco, que não teriam qualquer valor artístico. Inteligência não tem nada a ver com irracionalidade.

Gênios inteligentes da cinematografia (para quem começa a engatinhar) foram Orson Welles, Alain Resnais, Luis Buñuel, o belga Harry Kumel, entre outros.

Um homem imaginativo, antes de mais nada, percebe as relações íntimas e os segredos das coisas, as correspondências e as analogias.

De uma das paredes de um cenário em “Twin Peaks” pende uma imagem de Kafka… Referência ao estilo onírico de Kafka?

A melhor maneira de ler Kafka é converter-se num sonâmbulo. A melhor maneira de ler Lynch é converter-se num dormente de madeira.

O alto precipício em “Twin Peaks” é a alma do homem enfrentado com o nada de sua existência. Mas Lynch insiste no estranho, no esquisito, no ridículo. É um homem profundamente doente, não um poeta. Sofre de uma inundação de espíritos maus na parte esquerda do cérebro – está mais para cadáveres esquisitos.

É um ser construído com a argila da contradição, mas também com o ar vão de seus projetos e de seus desejos. Sua mente é fechada por baixo, e por vezes retorcida como em espiral em sentido inverso. Tem a cabeça para baixo e as pernas para cima!

O ouro da beleza se converte entre suas mãos na cinza dos complexos mais repulsivos.

O verdadeiro artista inteligente deve resolver de uma maneira simbólica seus problemas pessoais, com a panaceia da arte e não em forma de sintomas neuróticos ou de sonhos, como acontece com aquele não inspirado pelos deuses!

“O domínio não consiste em sonhos anormais, em visões, em vida e imaginações fantásticas, mas sim no emprego das forças superiores contra as inferiores, escapando assim das penas dos planos inferiores pela vibração nos superiores”.

A transmutação não é uma denegação presunçosa, é a arma ofensiva do mestre.

Para concluir: não tentem ser Champolions desta linguagem obscura. Não há nada a ser decifrado neste retorno à “Twin Peaks”! Somente Nyssia, a rainha da Lídia, tinha uma pupila dupla, que lhe possibilitava ver através das paredes!

“O sono da razão produz monstros.” – Francisco José de Goya y Lucientes.

Leia mais

Deixe uma resposta