Curtas. Ed. 192

curtas

Lula convida Requião
Na sua passagem por Curitiba no depoimento ao juiz Sérgio Moro, o ex-presidente Lula reforçou o convite ao senador Roberto Requião para ingressar ao PT em caso de expulsão/suspensão no PMDB. O convite tem incentivo da senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT. Requião gostou da conversa de Lula e espera uma aliança do PMDB/PT/PCdoB/Rede/PV/PPL para disputar o Governo do Estado em 2018. O PT integrou os dois últimos governos (2003-2010) de Requião no Paraná.

A dificuldade da coerência
O vereador de Curitiba Professor Euler no mês passado resolveu abrir mão do carro e do combustível que seu gabinete tem direito. No passado, já tinha dispensado a verba de R$ 4.500,00 por mês em selos. Euler deveria ser exemplo para outros vereadores. Mas, ao contrário disso, passa por uma cruzada difícil, os colegas da Câmara começaram a fritá-lo, revoltam-se, contorcem-se, alegando que estão ficando em má situação e que se a população ficar sabendo disso em escala, terão que fazer a mesma coisa.

Mude
Pesquisa encomendada pelo DEM diz que o nome “Mude” é o mais aceito entre os eleitores para a legenda passar a se chamar. O DEM começou como Arena, virou PDS, depois PFL e na sequência, Democratas.

Contradições
Enquanto Lula aparece em primeiro lugar em todas as pesquisas eleitorais para a Presidência da República, pesquisa da Qualibest, encomendada pelo Vem pra Rua, diz que o ex-presidente tem 59% de rejeição dos eleitores e para 52% ele deveria estar preso. A pesquisa diz ainda que 86% acham que o PT é o partido mais corrupto do país e mais da metade dos eleitores garantem que não votariam em Lula ou em alguém que ele recomendasse.

Nanicos
Em todas as novas pesquisas eleitorais, os tucanos Geraldo Alckmin e João Doria aparecem, dependendo das simulações, em quarto ou quinto lugar com menos de 10% das intenções de voto. João Doria sempre com alguns pontos acima do Alckmin. Doria, a propósito, nem se incomoda: lembra que também nas pesquisas para a prefeitura, estava com baixos percentuais e levou em primeiro turno.

Farra partidária
Em meio à tentativa de se criar um “fundão eleitoral” de R$ 3,6 bilhões para bancar as campanhas políticas, o fundo partidário (criado em 1994) já distribuiu este ano R$ 408 milhões, de janeiro a agosto, aos 35 partidos. Esse valor, pago até agora, supera em R$ 100 milhões tudo o que foi pago em 2014, ano da reeleição de Dilma (PT) e eleição dos parlamentares que, em 2015, decidiram triplicar o tamanho do fundo.

As drogas Dilma e Lula
Em uma grande apreensão de drogas no bairro Novo Mundo, em Curitiba, a RONE encontrou maconha, crack e dinheiro, o que não é novidade para ninguém. A questão é como as drogas estavam classificadas. A partir de sua qualidade, explicou o dono da mercadoria, a maconha intitulada “Dilma”, que estava embalada em pacotes a vácuo, era a boa e com maior índice de THC. Já a classificada por “Lula”, seria a maconha mediana.

Bala de borracha
Nestes dias tumultuados no cenário político, principalmente em Brasília, a Câmara tratou de cuidar de sua segurança. Tendo em vista possíveis manifestações em votações de projetos e da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, tratou de garantir o estoque de munição para combater supostos atos de vandalismo. Sem licitação, o que é permitido, abasteceu o estoque de gás de lacrimogêneo, balas de borracha e granadas de luz e som. Valor da compra: R$ 289 mil.

 

O mais rejeitado
O senador Aécio Neves (PSDB-MG) poderia ser hoje um dos nomes mais fortes para a disputa presidencial de 2018 se tivesse aceitado sua derrota nas eleições de 2014 para a presidente deposta Dilma Rousseff. No entanto, a pesquisa CNT/MDA o aponta como o presidenciável mais rejeitado do Brasil, em quem 69,5% dos brasileiros não votariam em nenhuma hipótese. As malas de R$ 2 milhões da JBS que foram entregues a seu primo Fred Pacheco mudaram a opinião pública.

Leia mais

Deixe uma resposta