Então é Natal

adriana-0-abre

Não, leitor, não farei isso. Nada de citar a música que enlouquece os ouvidos sensíveis durante o mês de dezembro. Mas acho que vale contar, só contar sem escrever os versos para não contaminar a memória e fazer você cantarolar sem parar o refrão. A música “Então é Natal” é a versão em português da “Happy Xmas (War Is Over)”, escrita por John Lennon, em 1971. A melodia é de uma canção irlandesa, que tem o registro mais antigo em 1784. Foram os imigrantes que a levaram para a América onde, a partir de 1829, entrou no repertório da música folk americana.

adriana-1_lennonOs irlandeses a levaram para os Estados Unidos e Lennon a espalhou pelo mundo. No Brasil, a versão é de Claudio Rabello, que é dono de vários e vários hits, entre eles aquele que fez com Dalto, “Muito estranho”.
Depois que Simone gravou a dita-cuja num dezembro de 1995, o Brasil aprendeu, ou foi obrigado, a ouvi-la em inúmeras interpretações, de Ivan Lins a Padre Marcelo Rossi.

Como ficou claro por essa introdução, na coluna deste mês, o Natal e a MPB.

Quem abre a festa é Assis Valente, que estava em seu quartinho na praia de Icaraí, sozinho e com os primeiros raios da depressão o alcançando, quando compôs “Boas festas”, música que completa agora 85 Natais e todo mundo sabe cantar: “Anoiteceu, o sino gemeu / E a gente ficou feliz a rezar / Papai Noel, vê se você tem / A felicidade pra você me dar / Eu pensei que todo mundo / Fosse filho de Papai Noel”.

Outro que fez versão para música de outro lugar foi Carlos Rennó, que ajeitou a letra em português para “White Christmas”, de Irving Berlin, que virou “Natal Lindo”: “Eu sonho um Natal lindo / Igual àqueles que eu vivi / Árvores luzindo / Criança ouvindo / O som de um sino por aí”.
adriana-2_martinho
Só mais uma versão e voltaremos às composições brasileiríssimas desta série. Celly Campelo gravou a inocente “Vi mamãe beijar Papai Noel” num 78 rotações em 1960. A música é uma versão de Fred Jorge para “I Saw Mommy Kissing Santa Claus”, de Tommie Connor: “Vi mamãe beijar Papai Noel / Era noite santa de Natal / Na sala eu me escondi / Para ver Papai Noel / Chegar e me trazer / Todos os presentes / Que eu pedi”. Do outro lado deste bolachão tinha “Jingle Bell Rock”, de Joe Beal e Jim Boothe, com versão do mesmo Fred Jorge: “Jingle Bell, jingle bell jingle bell rock / Tudo é beleza, tudo é amor / Natal é festa pra gente cantar / É uma festa para o lar”.

O pessoal do samba sabe usar sinos natalinos para fazer batuque e, para provar isso, Martinho da Vila escreveu “Feliz Natal, Papai Noel”, deu uma temperadinha na letra para agradar os mais crescidos também: “Feliz Natal, Papai Noel / Que desce ao léu / Com seu trenó / Trazendo um saco de emoções / Muito tato pra lidar / Com os amores / Apurado paladar para os quitutes / Para o prazer sexual muita libido / Que a justiça seja nua e sem antolhos”.

Com o olhar vibrante que mistura a desgraça da pobreza a um humor conformado, Adoniran Barbosa tratou daquela realidade que tanto o comovia em “Véspera de Natal”. É triste: “Eu me lembro muito bem / Foi numa véspera de Natal / Cheguei em casa e encontrei minha nega zangada / A criançada chorando / Mesa vazia, não tinha nada”. O personagem então resolve sair para comprar alguma coisinha para a ocasião e combina com a mulher que vai se fantasiar de Papai Noel e descer pela chaminé para animar as crianças. Até aí a música se estende em cenas capazes de arrancar lágrimas, aquela coisa tão humilde, tão ingênua… Mas na última estrofe o velho Adoniran dá uma volta que muda totalmente o clima da letra: “Ai meu Deus que sacrifício / O orifício da chaminé era pequeno / Pra me tirar de lá / Foi preciso chamar / Os bombeiro”.
adriana-3_adoniran
E quem é de bossa nova também é atendido pelo Bom Velhinho, pelo menos depois de 1961, ano em que João Gilberto gravou “Presente de Natal”, de Nelcy Noronha: “Papai Noel me deu um bom presente de Natal / Você embrulhadinha num papel monumental / Quem ganha boneca é menina, eu sei / Mas eu sou menino e também ganhei / Não foi uma bola nem sequer um cavalinho / Mas foi você, amor, que veio então pra ser o meu benzinho”. Os politicamente corretos piram.

Se tem samba e bossa no Natal brasileiro, tem também a incrível mão direita de Jorge BenJor, que lançou seu swing em 1978, naquela época em que o Fantástico da Globo trazia videoclipes todas as semanas: “Mas que Natal é esse? / É o Natal brasileiro, amor / Depois da Missa do Galo / Parentes, amigos e convidados / Reunidos na mesma mesa / Toda enfeitada com frutas tropicais / E no centro um cabrito assado / Tenro, todo recheado, espalhando farofa pra todo lado”.

E você lembra de “Natal, Natal das crianças, Natal de noite de luz / Natal da estrela guia, Natal do Menino Jesus”? Pois então, foi o cantor Blecaute quem compôs. Era ele, aliás, o General da Banda ê, ê – da música de Tancredo Silva, José Alcides e Sátiro de Melo, que imortalizou, vestido a caráter, e depois Elis gravou. Ele compôs “Natal das Crianças” numa espécie de solidariedade aos meninos de um orfanato que conhecia. Blecaute, também órfão, pensava sobre a data e a condição infantil de não ter família por perto.
adriana-4_benjor
Mestre Lua também emprestou sanfona para a data em “Cartão de Natal”, em parceria com Zé Dantas: “Ouvindo sinos de Deus / Repicando na matriz / Para você e os seus / Peço um Natal bem feliz”. Gravou em 1954, não é de suas peças mais conhecidas e o forró dançante da sanfona foi substituído por uma melodia mais calma, comovente, mais próxima do que a data dita, ou ditava, como apropriada.

Nesta relação natalina tem música para todo gosto. Parece que nossos compositores ficam um tanto tomados pelo espírito de fim de ciclo, de recomeço, de trocas, de reafirmações ou do que signifique a data para cada um. Se houvesse mais espaço, ainda poderia citar Chico Buarque e sua “Canção de Natal” ou Orlandivo em “Nasceu Jesus” ou Celso Viáfora com “Papai Noel de camiseta” e ainda Nei Lopes e sua “Noel e Natalina”… uma imensa lista para você esquecer o hino dos últimos anos “Então é Natal”.

Mas a coluna chega ao fim e só me resta desejar boas festas a todos os leitores e agradecer a companhia neste ano atribulado que já faz parte de nosso passado.
Um abraço e até a próxima.

Leia mais

Deixe uma resposta