Editorial. Ed. 195

Este ano que começou com um calor insuportável e um calendário que quase o anula para o trabalho, foi inaugurado em alta voltagem e com sinais muito claros de que a disputa eleitoral vai exigir paciência e engov.

Há um angustiado sentimento de desconforto na sociedade brasileira. Os governantes perderam a credibilidade, tantos são os escândalos de corrupção que parecem não ter fim. A maioria absoluta dos brasileiros não quer saber de política. E a situação da economia não apenas influencia o resultado das eleições como também a situação política interfere na economia, especialmente em anos eleitorais como o que vivemos.

No momento, a pesquisa mais recente registra que nada menos que 56% dos entrevistados têm pouco ou nenhum interesse nas eleições de outubro. O fato de que 37% dos pesquisados optaram por “nulo ou em branco” ou “não sabe” mostra que boa parte dos desinteressados escolheu a resposta mais condizente com seu estado de espírito no momento.
Não é provável que esse número se sustente nas eleições, embora possa ser maior do que o registrado em anos anteriores, pelo aumento da frustração do eleitorado com a política, os políticos e as instituições da política.
Os eleitores que estão deixando, com certa regularidade, de escolher o nome da presidente Dilma nas pesquisas dos últimos dias devem acabar optando por um dos nomes da oposição, caso o governo não consiga reverter a tendência de descrédito que no momento o atinge.

Os especialistas dizem que o movimento mais habitual dos eleitores desiludidos é fazer uma parada nos indecisos (ou branco ou nulo) para depois escolher a melhor alternativa. Os candidatos, os de sempre, ainda têm longo período para serem conhecidos pelos eleitores, e para eles o programa eleitoral na televisão antes da campanha pode ser a bala de prata. É a esperança, por exemplo, de Requião, que aposta tudo no porrete nos adversários durante o horário gratuito.
E o futuro não é risonho com qualquer dos candidatos que venha a ser eleito. O partido do futuro presidente terá, no máximo, um quinto da Câmara (100) e um quarto do Senado (20). O governo será de coalizão. Para que ele tenha um mínimo de estabilidade, vai precisar do apoio do partido âncora, o PMDB. Ou seja, tudo deverá ficar como está, com poucos atores novos.

A base parlamentar do futuro presidente será heterogênea. O partido do presidente, como fez o PSDB no governo FHC, como agiu o PT na gestão Lula, como se comportou na administração Dilma ou de Michel Temer, vai tentar limpar sua imagem às custas de enxovalhar o PMDB. E tudo deverá continuar sob as ordens de Renan, Sarney, Collor de Mello et caterva. Por que então devemos acreditar na política segundo as regras que fazem perdurar essa situação?

Leia mais

Deixe uma resposta