Um pouco de história de abluções

mazza

Quando Curitiba tinha temperaturas mais frias e o exercício da natação parecia inimaginável, havia poucas piscinas particulares, uma delas ali onde está o Colégio Estadual do Paraná, então a chácara dos Pinheiro Lima. Era com inveja que das cercas protegidas com arbustos víamos a piscina, algo que ficava longe de nossas aspirações e que só se concretizaria com uma popular montada no Cassino Ahú, hoje sede de colégio religioso, junto à fonte de água mineral alcalinoterrosa que levava o nome do bairro, Ahú.

Nossas abluções eram especialmente ao longo do rio Barigui, o das Mercês, com sua toponímia que observávamos com unção como a Volta Funda, a Panela, o Toco, a Princesinha, cuja denominação buscava definir o seu formato ou algum incidente como o denominado de “Carniça”, por ter sido encontrado algum animal selvagem em decomposição. Lugar de banho oficial era o Tanque do Bacacheri, mas havia os clandestinos como a represa do Grega (ou Greca) no Juvevê. Ela continha o rio Juvevê e era na nossa praia em que mantínhamos, de forma permanente, uma luta para utilizá-la em confronto com os donos do logradouro que infestavam o local de galhos de árvores espinhentas ou com maior crueldade preenchiam a nossa área de banho com cacos de garrafa que tirávamos, um a um, para não correr riscos de ferimentos e infecções.

Havia também uma fonte de água mineral na chácara do Querino, que ficava ao lado de onde hoje se situa o prédio mais novo da Assembleia Legislativa, área extremamente modificada pelas obras do Centenário no Centro Cívico a partir de 1951. Era uma fonte puríssima, gelada, uma linfa, na qual refrescávamos os corpos depois das peladas no campo do Paraná, boa parte dele hoje ocupada pela sede da Prefeitura. Curiosamente um dia o Aníbal Khury quis fazer um poço semiartesiano e, por incrível que pareça, alcançou a nossa fonte lírica e com ela trouxe água mineral para servir ao Legislativo: em cada garrafa, em cada copo, a iluminúria dos meninos tomando banho pelados que se fundem na memória.

Leia mais

Deixe uma resposta