Ai, que medo

quemedo_0_abre

Os saudosos do regime fardado lustram seus coturnos e se enchem de esperanças. Na caserna corre a notícia de que a possibilidade de um golpe militar é factível. Aos democratas verdadeiros esse movimento inspira medo. Muito medo. Não teríamos pior solução para a nossa crise que é social, econômica, política e também moral, que a volta a uma ditadura militar como aquela que sofremos a partir de 1964 e que só se esgotou nos fins dos anos 80.

quemedo_3_herzog

Os indícios são fortes. A nota assinada pelo general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, e postada em sua conta pessoal no Twitter, foi uma clara, descabida e perigosa interferência na vida institucional do país. E ficou por isso mesmo. O chefe das Forças Armadas, segundo a Constituição, é o presidente da República. É ele, e somente ele, portanto, quem em nome delas pode falar sobre temas políticos de repercussão geral. Aos comandantes das três armas – Exército, Marinha e Aeronáutica –, cabe falar sobre assuntos administrativos e aqueles diretamente afeitos aos cargos que ocupam.

Militar não é igual a civil. O que os distingue não é só a farda que um veste e o outro não. Militar tem acesso a armas pesadas, pilota brucutu, maneja tanques e é treinado para matar. Se um deles fala qualquer coisa, soa diferente do civil que diga o mesmo. Porque um tem a força capaz de pulverizar literalmente quem quer que seja. O outro, só a força da palavra.

 

Fala dos duros

É preciso entender que a fala do general Villas Bôas não foi a de um chefe que se dirige aos seus subordinados. Foi um pronunciamento à Nação em nome do “Exército brasileiro” e a propósito da situação que vive o país. Com o objetivo de assegurar que o Exército compartilha “o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade” e de respeito às leis e à paz social.

Não faltou na fala do general a provocação travestida de pergunta que ele dirige diretamente “ao povo” e a instituições não nomeadas: “Quem realmente está pensando no bem do país e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?” Para, por fim, afirmar que o Exército “se mantém atento às suas missões institucionais”.

quemedo_2

O momento escolhido por Villas Bôas para dizer o que disse não se deveu ao acaso. O que ele disse tampouco guarda qualquer grau de parentesco com o apelo à serenidade feito na véspera pela presidente do Supremo. As ruas estavam repletas de manifestantes. E o Supremo, a menos de 24 horas de retomar um julgamento que galvaniza o país e pode incendiá-lo.

A reação do presidente da República à fala do general foi nenhuma. Os políticos a engoliram a seco. Uns poucos ousaram comentá-la na tentativa de ajustá-la às suas próprias conveniências. Em compensação, esbaldaram-se com a fala as novas vivandeiras de quartéis que em nome da ordem pregam a desordem e o colapso da democracia entre nós.

Leia mais

Deixe uma resposta