Chernobil

marcio0_abre

Chernobil tenta, mas não consegue. Outro funcionário de uma fundação, onde ela insiste em cobrar por um serviço não prestado, não cede à insistência da, é lamentável usar mas a palavra é essa mesma, chantagista.

No passado, ela pressionava e conseguia, especificamente, dinheiro. Emplacava projetos, mas, na realidade, seu objetivo sempre foi o cachê, e apenas o dinheiro, e não movimentar ideias, pessoas e transformar o estado das coisas, como repetia em discursos, prefácios e textos publicados em orelhas e contracapas de livros ou em jornais e revistas.

Durante vinte, trinta anos, Chernobil foi um nome e uma presença no circuito cultural. Inventou uma trajetória nesse cenário a partir de performances bem avaliadas nas camas de e com professores universitários, escritores e sujeitos influentes que, além do poder de influenciar, também eram leitores interessados em cinema, visuais, literatura, sexo e vinho.

Um professor universitário, mais conhecido pela barriga proeminente do que por pesquisas ou produção acadêmica, apaixonou-se por ela e conseguiu que Chernobil fosse nomeada professora e, a partir da nomeação, a então jovem começou a se tornar o que de fato viria a ser: Chernobil.

marcio1Nos últimos dois, três anos, sem falhar praticamente nenhum dia, ela usa o Facebook para manifestar sua indignação. Faz postagens condenando pessoas públicas, personalidades que, em seu entendimento, apresentam comportamento inapropriado e aproveitam suas funções para construir imagem, prospectar negócios e, enfim, aumentar o patrimônio.

No entanto, a mesma Chernobil, no período em que atuava como professora, obrigou alunos e alunas a pesquisarem temas que lhe interessavam e usou o conteúdo para, ela mesma, produzir artigos acadêmicos, alguns deles veiculados em livros que organizou e por meio dos quais vendeu projetos e aumentou suas aplicações bancárias.

Chernobil começou a perder espaço à medida que seu corpo acusou sinais da passagem do tempo. Desde então, recorreu continuamente a operações plásticas e botox, entre outras interferências. Mas, sem o esplendor e a exuberância naturais, os sujeitos que favoreciam seus projetos a trocaram por outras jovens, cada vez mais jovens, e nada mais foi fácil, profissionalmente falando, para Chernobil.

O que garantiu e garante uma sobrevida no mercado com raros mas, enfim, alguns convites e cachês foi o fato, inequívoco, de Chernobil ter reescrito a história de personalidades, diminuindo e por fim excluindo fracassos, ao mesmo tempo em que fez com que covardes passassem a ser cultuados como heróis.

Os descendentes desses heróis acreditam e se apegam à versão, mas a comunidade leitora, especialmente após o advento da internet e a facilidade de acesso à informação, tem cada vez menos fé nas palavras e nas atitudes de Chernobil.

Apesar da decadência, ela ainda consegue enganar, não, encantar uns sujeitos, poucos mas eles existem, que se apresentam como intelectuais, consumidores de livros preguiçosos que não leem nem prefácios e/ou orelhas. Leitora, Chernobil digere, processa e reprocessa informações, pesquisas e conteúdos alheios. A partir desse repertório, convence uma pequena plateia inculta que, ao ouvir uma palestra mesmo informal da ex-professora, tem a impressão de que está diante de uma usina de ideias, sem se dar conta de que Chernobil é um desastre, uma espécie de acidente nuclear, atualmente inofensiva, mas que já prejudicou e poluiu excessivamente o ecossistema.

Leia mais

Deixe uma resposta