UM SAMURAI DA BORGONHA

Seu nome é Francisco Urban. Chico Urban. Seu outro nome é superação. Eu o conheço há muito. Temos um parentesco indireto. Sou ex-tio do Chico por conta de sua tia Teresa.  Também de seu tio João, de quem eu gostaria de ser irmão. Poderia dizer que é filho da Pretinha e do Toni Urban, o que por si já constitui uma respeitável apresentação.

Ora, pois, Chico Urban, como eu dizia, é uma história de superação e sucesso. Desde o início. Na barriga da mãe em cárcere dos tempos de chumbo, lágrimas e látego do regime fardado. O que não é pouco para começar a vida.

Chico superou um câncer. Bravamente. O que não é pouco para começar a vida adulta sem esmorecer. Com ânimo de samurai, levantou-se, reuniu forças e foi parar do outro lado do mundo, no Japão, com uma bolsa de estudos do governo japonês. Fez amigos, aprendeu muito, absorveu de outra cultura princípios de liberdade e da relação com o mundo e as pessoas.

Voltou outro. Novas ideias e vontade de vencer. Reencontrou Janice, da convivência que vinha da infância. Três filhos: Sofia, de 17 anos; Marcello de 15 e Thatiana de 12. Hoje só, continua próximo, amigo, e pai amoroso, mas exigente, preocupado em transmitir valores e princípios.

Tornou-se um empresário muito bem-sucedido. Sua trajetória é case para escolas de business. Ele gosta do que faz, da gestão, da análise dos números e é um craque para perceber tendências. E como restauranter exercita aquela que é sua grande característica. Chico é amigo. Valoriza a amizade. O que mais gosta de fazer quando não está a fazer outras, é sentar-se para longas conversas. Então surge o Chico que todos gostam de ter na roda. Sarcástico, com tiradas hilárias, que arranca gargalhadas quando faz as “autocríticas dos outros.”

Assim é o Chico Urban, que gosta de viajar sozinho, de andar a cavalo, especialista em Jack London e Mark Twain, que tem como hino a “In my Life”, dos Beatles, ouve muito jazz, frequenta bons restaurantes e leva a vida regada por outra predileção, um bom vinho Bourgogne.  A foto é do João Urban.

Deixe uma resposta