Eu, Jaime Lechinski

Atividade profissional: um velho profissional, cada vez mais velho e menos profissional.

Atividades outras: molhos e assados, vez por outra um risoto e, sempre, as caminhadas sob o sol da manhã.
Principais motivações: o vinho que nos leva pela noite – papel que tanto cumprem os grifados como os ordinários. E as paisagens curvilíneas.

Qualidades paradoxais: paciência e, outra, pular da cama apesar de tudo.

 

Pontos vulneráveis: barulhos excessivos, sobretudo de motocicletas com escapamento aberto conduzidas pelos incivis – “protervos” também cai bem para defini-los – que circulam sem ser reprimidos pelas autoridades de trânsito.

 

Ódios inconfessos: a dissociação cognitiva que grassa nas redes sociais e em todas as esferas da nossa tragédia. E, claro, a mesquinharia.

 

Panaceias caseiras: canja de galinha e silêncio.

 

Superstições invencíveis: que a lei de Murphy está em todas as esquinas, sobretudo naquelas em que irei passar e, outra, a de que quando chegar minha vez de dançar o gaiteiro irá ao xixi.

 

Tentações irresistíveis: bacon, azeite de oliva, tequila, jornal impresso, noticiário on-line, bons documentários na TV e café macchiato, este até quando só. E filmes clássicos nas madrugas de sábado.

 

Medos absurdos: a morte por asfixia. Outro: motoqueiros barulhentos a abafar as loas que eu eventualmente possa merecer na hora do enterro.

 

Orgulho secreto: ter ficado em silêncio nas inúmeras ocasiões em que estive à beira de pronunciar uma enormidade.

 

Deixe uma resposta