Prateleira. Ed. 222

As hortênsias

O livro de Felisberto Hernández traz uma novela e três contos de um dos maiores escritores uruguaios do século XX. “As Hortênsias” narra a obsessão de Horacio pela observação de bonecas chamadas Hortensias, cada vez mais parecidas com mulheres de carne e osso. Ele as expõe em vitrines e as faz personagens de histórias que inventa para elas. Em “Úrsula”, o ambiente de cidade pequena serve de pano de fundo para a narração do início do relacionamento do narrador com Úrsula, a quem havia contratado para serviços domésticos. Em “A mulher parecida a mim”, o protagonista narra as lembranças de ter sido um cavalo, algo que fica entre o sonho e a fantasia. “A árvore de mamãe”, que fecha o livro, conta o caso de Eva, uma professora de matemática, com o primo, violinista de cinema, alter ego, de certo modo, do autor, que foi pianista de cinema durante longos anos. Nestes contos, pequena mostra da grande versatilidade do escritor, há um componente fantástico, que se manifesta principalmente no olhar dos narradores.

Bartleby, o escrivão

Bartleby é o personagem que contém toda a base filosófica da obra de Herman Melville. Alguns caracterizam este conto como o início do existencialismo do século XX. Uma interpretação que caberia se pensarmos no absurdo de Camus a partir da icônica frase de Bartleby, “Prefiro não fazer”, ou se levarmos em conta o nada sartreano que assola a história da personagem. Diríamos se tratar mais do niilismo vigente no século XIX. Sendo um ou outro, Melville é sempre bom ler.

Dias de abandono

Da enigmática Elena Ferrante, autora italiana que ninguém conhece a verdadeira identidade, originalmente publicada em 2002, a escritora escondida pelo misterioso pseudônimo utiliza suas palavras cortantes e sua clareza brutal para percorrer o turbilhão emocional vivido por Olga após um casamento fracassado. Traída e se sentindo abandonada pelo marido, a personagem enfrenta conflitos internos em meio à nuvem cinzenta da desolação e da nova e inquietante realidade que se apresenta.

Deixe uma resposta