“Bendito corona”

Se pensarmos na vida como um belo presente que a todos foi concedido, não faz sentido pensar na morte do planeta, seja por qual causa for.

É fundamental, entretanto, a devida reflexão para o momento, que caminho vem a humanidade percorrendo? Onde chegamos com a ganância desenfreada e desrespeito à condição humana? Princípios básicos de higiene através de educação continuada e programas sérios de governos na área sanitária, deverão ser melhor avaliados. Os organismos mundiais que à esse fim se propõe, deverão sair dos discursos em púlpitos de hotéis 5 estrelas, e realmente colocar em prática programas que a todo o planeta contemple, pois vimos que, um vírus pode sair de qualquer ponto do globo e a todos contaminar. E se tivesse vindo de algum país da África, cujo povo vive em condições sub-humanas, e seus dirigentes, na maioria ditadores, dormindo sobre berços esplêndidos? E se tivesse vindo de um de nossos países aqui da América do Sul, que luta a duras penas para manter-se vivo, em lutas internas intermináveis, na tentativa de quebra de uma tirania avassaladora (disfarçada de socialista), que os está dizimando, vide Venezuela.

Numa tragédia como esta que estamos vivendo não há vencedores. Perdemos todos. Perde a economia global. Perde a saúde global. Perde a vida e a dignidade global.

A reflexão imperativa inadiável é para onde queremos caminhar? Com os valores e cuidados a que estávamos nos submetendo chegamos ao corona vírus. E a partir daqui? Vamos para onde?

Perceberam que a ausência do homem permite que o planeta se cure. Se cure do quê? Da agressão desenfreada a que o homem o submete. Destruímos nossas florestas, alteramos nosso clima. Com clima alterado, vêm os incêndios que dizimaram florestas na Europa. As florestas são os pulmões por onde a terra respira. Qual é o órgão de ataque desse vírus? Os pulmões do homem. Só não percebe esse simbolismo quem não quer enxergar o que está sendo cobrado pela natureza. Com a reclusão das pessoas em suas casas, os rios ficam mais limpos. O ar mais puro. O vírus ataca alguma outra espécie animal? Não, somente o homem. A cobrança é toda em cima daqueles que estão destruindo o planeta onde vivem.

Não somos digitais? Não temos milhares de amigos virtuais? Então porque estamos tão carentes ao ficarmos isolados? Não podemos abraçar e beijar. Vínhamos abraçando e beijando? Quem? A tela do celular. Reclamamos de nossos idosos. Desprezamos sua sabedoria de vida e não a aproveitamos. E neste momento, é a eles que mais temos que proteger.

Um vírus, na verdade, e daí o título, bendito corona, evitou a 3ª Guerra Mundial. O caminho bélico se apresentava. EUA, Irã, Rússia e Coréia do Norte, terão que rever seus conceitos armamentícios, pois vírus não se mata com armas nucleares. Quem morre com essas armas são os homens. Esses mesmos homens que estão sentados, neste momento, em cooperação, descobrindo remédios e vacinas para vencer o inimigo comum, o vírus. Então, esse tal de corona, os fez guardar as armas e pegar as pipetas e os tubos de ensaios, e desenvolverem algo em prol do bem comum. Muito diferente de que vinham pensando.

A China e alguns outros países asiáticos tem que rever seus conceitos alimentares. Existem limites nessa cadeia, que há muito vem sendo desrespeitado. Já buscavam a industrialização de proteína humana!

Não podemos nos esquecer de Atlântida, símbolo do ápice tecnológico e declínio moral. Deu no que deu. Afundou. Desapareceu.

Alguém duvida das providências divinas nesses momentos? Sem nenhum viés religioso dos aproveitadores de plantão. Olhando apenas para o transcendente, podemos observar a assinatura do Divino criador, quando ele ameaça a destruição do planeta com algo praticamente invisível como um vírus, e ao mesmo tempo, permite que com um novo nível de consciência o desfrutemos.

 

 

 

 

Deixe uma resposta