As Ucrânias do Paraná*

ucranianos-0-abre

As tropas nazistas não pouparam o menino de 13 anos que morava em território ucraniano. Tirado à força do seio familiar, o amedrontado garoto foi levado para o incerto. Mantido em cárcere pelos soldados de Hitler, acabou submetido ao trabalho forçado em fazendas germânicas. Quando a guerra rumava para o fim, Pedro Bilonicki já estava com 15 anos. Filho único, […]

Continue lendo »

Procissão de Eus

cronica

O escritor Milton Ericksen Carneiro nasceu no dia 16 de outubro de 1902, e viveu rodeado por uma geração de intelectuais que se destacou no cenário curitibano. Companheiro de Léo Cobbe, Bento Munhoz da Rocha Neto, Homero Braga e outros, o médico, professor e escritor era uma boa mistura de poeta e boêmio. Além da docência na área de Biologia […]

Continue lendo »

Um Paraguai de puro ‘petáculo

helio0_abre

(Tradução de Jamil Snege) Quero propor uma questão que considero a pergunta-chave de nossas investigações: onde buscar a cultura paraguaia? E, por extensão, que secretos sítios esquadrinhar à procura de seus códigos e mecanismos de funcionamento? Essas perguntas são pertinentes porque se estribam na seguinte constatação: não existe apenas um Paraguai, porém dois – culturalmente falando. Dois países que coexistem […]

Continue lendo »

O Paraná germânico

alemaes-0-abre

Ao entrar naquele navio, José Hauer Senior não imaginava o que lhe esperava do outro lado do Oceano Atlântico. Durante dois meses e meio, ele driblou o enjoo, a fome, a sede e a ansiedade. Era um jovem sonhador de apenas 22 anos que fugia das mudanças de ordem econômica, política e social que assolavam os territórios alemães. Natural de […]

Continue lendo »

Pacífico porque eterno

guido

Uma vez escutei de um crítico literário que a leitura tinha ficado pela sua adolescência. Nos dias atuais não se dedicava aos romances. Colocava-se num patamar distante. Acredito ser uma exceção, mas, como pouco tive contato com estes críticos oficiais, levo esta encenação viva na memória. No meu caso, para ser simples, sinto sempre a leitura como necessária. Como se […]

Continue lendo »

Milagre na favela

simoes

Nos charcos do silêncio, há gritos soterrados. A favela, porém, é um clamor surdo. Um clamor feito de barracos encardidos e ruelas malcheirosas. Visto da elevação onde se encontram os cinco personagens desta narrativa, à luz fraca do crepúsculo, o casario irregular – tábuas e zinco e desalento – tem qualquer coisa de um cenário de teatro. Em primeiro plano, […]

Continue lendo »

As palavras no galpão

jamil_0_abre

Meu fascínio pela letra impressa não foi produto do acaso nem de um nobre pendor familiar. Sou neto de imigrantes – e ao que me consta nenhum dos meus avoengos tinha tratos literários. Do lado da minha mãe, um avô anarquista, construtor de pontes e de muralhas; uma avó camponesa, versada em generalidades domésticas e ávida leitora de folhetins. Italianos, […]

Continue lendo »
1 2 3 12