Lerner a Lerner

Foi Vinicius de Moraes quem, por um processo de divertida paródia, fez do sábado o dia da criação. Nada de descansos, nem modorras: júbilo, celebração. Ao ler as crônicas de Jaime Lerner (Quem cria, nasce todo dia, Travessa dos Editores, 2014, 212 páginas), fica ainda mais fácil de seguir esse preceito tão humano que nenhuma reunião ensina. Fernando Pessoa ambicionava […]

Continue lendo »

Um poeta se guarda

Um poeta se guarda e emerge da lagoa em Amplo espectro! O título da obra de Roberto Prado veio a calhar, pois a pergunta era “como um poeta de seu tamanho não tinha publicado um livro?” A comprovar que para ser grande não é necessário reunir textos numa sequência de páginas. É sugerido que o autor já nascera grande: “com […]

Continue lendo »

Uma wagneriana

“A obra de Wagner nos dá a oportunidade de refletir sobre os valores mais importantes e profundos de nossa existência e de vislumbrar um mundo transformado para as próximas gerações”   Um guia dedicado de Parsifal, a última obra de Richard Wagner, só poderia ser produzido por uma wagneriana, uma que visse o abismo e não se encolhesse, que mergulhasse […]

Continue lendo »

Fernando Pessoa & o Prêmio Nobel

Não sei se o assunto já foi abordado por alguém, algures. Penso que não. Pelo menos, estou escrevendo com base nessa suposição apriorística. Começarei, de modo heterodoxo, antes de entrar in medias res, pela citação de um trecho da carta que Fernando Pessoa dirige ao amigo Adolfo Casais Monteiro (então com trinta anos de idade), poeta embrionário que haveria de […]

Continue lendo »

Quase sempre perdida

A história vista de baixo. Para os historiadores, é a possibilidade de compreender os movimentos não só de opressão, e sim de resistência e de luta da classe operária e camponesa. Talvez, se fosse o caso de analisar o livro Benedito Rosário, de João Urban, na perspectiva histórica, a abordagem escolhida seria a marxista dos britânicos E. P. Thompson e […]

Continue lendo »

Bamboleio cultural

Com diversidade de opções boêmias e musicais, Curitiba dá outro passo para fugir do provincianismo. Ocupação pacífica de espaços públicos é desafio contemporâneo   Era o início de uma tarde ensolarada de domingo, 5 de maio. O café fresco e fumacento ficou para mais tarde. O plano era atenuar a ressaca e garantir a sequência do dia, potencialmente indolente. Tomar […]

Continue lendo »

Flaubert, o mestre (esquecido) de Eça de Queiroz

1 Na sua obra singular – Correspondência de Fradique Mandes –, Eça de Queiroz, querendo caracterizar o estilo do diletante autor das Lapidárias, coloca na boca do biógrafo estas palavras: A forma de V. Exa. é um mármore divino com estremecimentos humanos. Palavras expressivas e sintomáticas, na medida em que denunciavam e traduziam uma visão muito especial – muito eciana, […]

Continue lendo »
1 2 3 18