Música Erudita. Ed. 177

Incompreensível BachJohann Sebastian Bach não foi em vida (1685-1750) o centro musical na Alemanha. Foi famoso como grande organista e virtuose no cravo e no violino. Também era conhecido por cumprir pontualmente suas obrigações de “Kantor”, a escrever grande quantidade de música sacra que o culto luterano lhe exigia na época. O criador da maior obra musical de todas as […]

Continue lendo »

Música Erudita. Ed. 176 – Cinco séculos de nacionalismo na música

Heitor Villa-Lobos. Foto: Divulgação   A ideia aqui não é criticar ou desconstruir o pensamento nacionalista que marca um longo período da produção musical brasileira. Mas é preciso contextualizá-lo. Como um importante conjunto de ideias que se justificaram no período em que foram criadas e usadas como padrão, mas que já se tornam ultrapassadas e restritivas de uma avaliação mais […]

Continue lendo »

Música Erudita. Ed. 173

Arvo Pärt, o contemporâneo audível   A música erudita contemporânea na cabeça da maioria remete imediatamente para a música experimental dos anos 1950, 1960. E a reação comum é dizer “não gosto, não entendo, nada me diz”. A verdade é que os experimentalismos mais radicais são do gosto e do acervo dos próprios compositores, instrumentistas e estudiosos da música. Não […]

Continue lendo »

Música Erudita. Ed. 172

Alberto Ginastera (1916 – 1983)José Augusto Jensen Alberto Ginastera – Foto: Reprodução/site aadl.org   Assim como Heitor Villa-Lobos é quase símbolo de Brasil nos círculos musicais europeus e americanos, Alberto Ginastera o é da Argentina. Em 1937 se projetou nacionalmente com o ballet Panambi op. 1b. Baseado em uma lenda indígena, a suíte em cinco movimentos, são os seguintes: 1 […]

Continue lendo »

Música Erudita. Ed. 168 – Um paranaense romântico

A primeira figura da tendência nacionalista da música brasileira é a do compositor e diplomata Brasílio Itiberê da Cunha, um paranaense. Ele foi precursor do nacionalismo em nossa música. O primeiro a inspirar-se em motivos populares e a imprimir à sua obra características nitidamente brasileiras. Brasílio Itiberê compôs música de câmara e coral, além de peças para piano. Sua rapsódia […]

Continue lendo »

Música Erudita. Ed. 167 – Nossas origens musicais

Em todo o decorrer da história colonial do Brasil, desde seus primórdios, há constantes testemunhos de práticas musicais, da obrigatoriedade do ensino de música nas casas da Companhia de Jesus e da popularidade do teatro musical, cuja origem se encontra nos autos representados pelos jesuítas. No século XVIII, por exemplo, o gosto pela ópera-bufa, tão característica da época, propagou-se no […]

Continue lendo »

Músida Erudita. Ed. 160 – Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar

Eis que nosso grande compositor, o maior de todos, volta a despertar grande interesse, inclusive de um público novo que, esperamos, venha a ser a plateia do futuro para a música erudita no Brasil. As Cirandas e as Cirandinhas de Heitor Villa-Lobos são o ponto de partida e o centro do primeiro trabalho do Grupo Quinto, formado por seis pianistas […]

Continue lendo »

Jeito brasileiro

Apesar da fama do “jeitinho” brasileiro, que é vista pelo viés negativo, pejorativo e muito ligado à esperteza como tentativa de se dar bem a qualquer custo, vejo com muita alegria o jeito brasileiro de ser, que não tem nada a ver com o jeitinho. Não é regido pela lei de Gerson, mas sim pela descontração, leveza, um certo descompromisso […]

Continue lendo »

Música Erudita. Ed. 156 – Villa-Lobos em Paranaguá

Há anos insisto na interessante aventura que os historiadores desta província poderiam viver ao assumir a tarefa de resgatar a passagem de Heitor Villa-Lobos por Paranaguá. Lá ele viveu no início do século passado e além de pesquisar o folclore do litoral paranaense, teve tempo para apaixonar-se por uma nativa e para organizar um concerto, em 1908. Sua estada em […]

Continue lendo »
1 2 3