Intimidade forçada

“O comportamento antissocial é uma mostra de inteligência em um mundo repleto de conformistas.” A frase é do gênio Nikola Tesla, que entendia de eletricidade e muito mais. Dou ganho de causa ao cientista. Há situações em que a interação social é quase uma agressão à dignidade humana. Exemplo claro é o uso da sauna. Apenas um conformista completamente adaptado […]

Continue lendo »

Naturalmente

Brisa de mar, ar do campo. Cheiro de mato, cheiro de chuva que entra por janela aberta. O som da chuva. Tudo isso me fascina. Olhar as árvores, caminhar sob as nuvens, sentir o sol bater no rosto ou o primeiro frio do ano que gela as bochechas e sussurra: estás viva. Gosto da ideia do natural. De um jardim, […]

Continue lendo »

Com açúcar, com afeto

Ninguém pode dizer quantas vezes aquele caderninho foi aberto. Centenas de vezes. Milhares, quem sabe? Há páginas que denunciam o uso pelas nódoas. Marcas onde o papel fica transparente do óleo ou amarelinho da gema. Algumas folhas são enfarinhadas como a massa de macarrão que descrevem, passo-a-passo. A capa do caderno é dessas rajadinhas, tipo pedra granito, daquelas que não […]

Continue lendo »

Balneários e banhistas

No verão de Brasília, só transpiração, zero inspiração. Não fui projetada para o calor e bem nenhum me faz esta sessão anual de suadeira. Encerrada em meu apartamento a aguardar o final do estio, recebo notícias de que há gente que gosta de praia. Gente inteligente, dotada das faculdades mentais plenas. Pessoas com boa quantidade de neurônios e muitos pensamentos […]

Continue lendo »

Então é natal

Ah, o natal. Convenhamos, não há coisa mais cafona. A não ser, talvez, a palavra cafona, que é cafonérrima. A época é recheada de frutas secas e pieguice. Natal de luz, natal do amor, natal da paz e amizade. A esta época, as caixas de correio já estão repletas de cartões natalinos das Casas Pernambucanas e coisa que o valha. […]

Continue lendo »

Senso prático

Sou desprovida de senso prático. Zero, nada, niente. Sabe quem eu sou? Sou aquela pessoa que leva o carro à oficina e esquece a chave de casa lá dentro. E só percebe quando chega à porta. Aí, no caminho até o chaveiro, senta na padaria da esquina e escreve uma crônica. Porque o tempo não faz sentido para quem não […]

Continue lendo »

Cigarras, formigas e asnos

Nas últimas semanas, não sei bem por que, ando pensando muito sobre fábulas. Talvez tenham sido as cigarras brasilienses que cantam desesperadas à minha janela. Fato é que me peguei a pensar na moral de cigarras, formigas, asnos e outros bichos. Depois de muito calcular, me ocorreu que a fábula é um gênero literário muito mal aproveitado. Desde Esopo e La […]

Continue lendo »

Ai de mim

É o manguito rotador, sentenciou. Suspirei. Desses suspiros longos de quem recebe notícia ruim. O lamento pareceu apropriado, mas, de fato, não sabia se a notícia era ruim. Que seria o tal manguito rotador? Uma variação anatômica da rebimboca da parafuseta? Sei só que o nome me soou odioso, terrível, mas não menos engraçado. Man-gui-to ro-ta-dor. Ai de mim. Mas há […]

Continue lendo »

Agora eu se consagro

Fernando Sabino, certa feita, publicou dura crítica a uma tradução. O pobre tradutor não percebeu uma expressão idiomática e interpretou ao pé da letra. To the foot of the letter, por assim dizer. Mas, porque a vida é essa caixinha de surpresas que dizem os boleiros, não levou muito para que o próprio Sabino fosse flagrado em erro semelhante. Como […]

Continue lendo »