As palavras no galpão

Meu fascínio pela letra impressa não foi produto do acaso nem de um nobre pendor familiar. Sou neto de imigrantes – e ao que me consta nenhum dos meus avoengos tinha tratos literários. Do lado da minha mãe, um avô anarquista, construtor de pontes e de muralhas; uma avó camponesa, versada em generalidades domésticas e ávida leitora de folhetins. Italianos, […]

Continue lendo »