Um novo olhar (crítico) sobre a “Opus Majus” de Albert Camus

simoes (1)

1 O que representa, em última análise, “A peste”? O romance é plurissignificante, polissêmico. Não será possível captar nele um significado, uma interpretação, uma “leitura” unívoca. Começa por participar do simbólico e do imagético. É fábula, alegoria, parábola. Mais do que isso: metáfora transparente. Suma antiteológica (fragmento da suma que é a “opera omnia” camusiana), reflexão pascaliana (só em parte, […]

Continue lendo »

Uma obra-prima: “A Peste”, de Camus

simoes_0_abre

1 Releio, com um frêmito interior de emoção e deslumbramento, um livro cuja primeira leitura, inexplicavelmente, não me impressionou demais. Talvez porque o momento psicológico não fosse adequado. Ou porque o adolescente não estava preparado para o impacto das páginas fortes que lia com pressa. Não importa agora descobrir os motivos determinantes do fato. Basta apenas admitir que o fenômeno […]

Continue lendo »

Da amizade & dos amigos

simoes

Com base na leitura de livros, jornais e revistas, tive oportunidade de coligir, ao longo das últimas décadas, dezenas e dezenas de pensamentos, epigramas, aforismos, provérbios, máximas etc., gravitando em torno de um dos temas da minha especial predileção. Refiro-me à amizade e aos amigos. Esses fragmentos amistosos – ou amicais – são por vezes semelhantes, formal e conteudisticamente. Mas […]

Continue lendo »

Milagre na favela

simoes

Nos charcos do silêncio, há gritos soterrados. A favela, porém, é um clamor surdo. Um clamor feito de barracos encardidos e ruelas malcheirosas. Visto da elevação onde se encontram os cinco personagens desta narrativa, à luz fraca do crepúsculo, o casario irregular – tábuas e zinco e desalento – tem qualquer coisa de um cenário de teatro. Em primeiro plano, […]

Continue lendo »

Dialogar é preciso

simoes1

Começo por equacionar, de modo heterodoxo, um parêntese com uma afirmação singela, até certo ponto acaciana: o Brasil está vivendo, no território da contemporaneidade, uma crise sem precedentes. Uma crise que, à maneira da pretérita política geiseliana, é ampla, geral e irrestrita. Ela semelha, em termos metafóricos, um polvo gigante, cujos três tentáculos preponderantes são sem dúvida a Política, a […]

Continue lendo »

A Sombra Dourada

artigo_simoes_0_abre (1)

Um romance notável de Guido Viaro Verdadeiramente encantado – e talvez fosse mais adequado utilizar outro verbo, deslumbrado – concluo a prazerosa e enriquecedora leitura do mais recente romance de Guido Viaro. É o décimo terceiro, mais um marco miliário na estrada larga da criatividade do paranaense e, pela minha ótica privativa talvez precária e certamente discutível, o “primus inter […]

Continue lendo »

Machado de Assis & Eça de Queiroz: uma aproximação

simoes

Joaquim Maria Machado de Assis e José Maria Eça de Queiroz: temos aí, sem dúvida, os dois himalaias da cordilheira romanesca da nossa língua. Mas, para lá desse fato indiscutível há, entre esses dois gigantes da Literatura, uma série de afinidades e similitudes. Não apenas de ordem puramente literária, mas também existencial. Vejamos alguns pontos que de certa forma aproximam […]

Continue lendo »

Quem é Deus?

simoes

Quem é Deus? Eis aí uma indagação que pode não fazer sentido para os ateus e os agnósticos, mas que preocupou sempre, e continua preocupando, em todas as latitudes do planeta, os crentes de todos os credos. Não serei eu quem terá a estulta pretensão de responder a tal pergunta. Darei a palavra a filósofos ilustres e a teólogos respeitáveis. […]

Continue lendo »
1 2