Dialogar é preciso

Começo por equacionar, de modo heterodoxo, um parêntese com uma afirmação singela, até certo ponto acaciana: o Brasil está vivendo, no território da contemporaneidade, uma crise sem precedentes. Uma crise que, à maneira da pretérita política geiseliana, é ampla, geral e irrestrita. Ela semelha, em termos metafóricos, um polvo gigante, cujos três tentáculos preponderantes são sem dúvida a Política, a […]

Continue lendo »

A Sombra Dourada

Um romance notável de Guido Viaro Verdadeiramente encantado – e talvez fosse mais adequado utilizar outro verbo, deslumbrado – concluo a prazerosa e enriquecedora leitura do mais recente romance de Guido Viaro. É o décimo terceiro, mais um marco miliário na estrada larga da criatividade do paranaense e, pela minha ótica privativa talvez precária e certamente discutível, o “primus inter […]

Continue lendo »

Machado de Assis & Eça de Queiroz: uma aproximação

Joaquim Maria Machado de Assis e José Maria Eça de Queiroz: temos aí, sem dúvida, os dois himalaias da cordilheira romanesca da nossa língua. Mas, para lá desse fato indiscutível há, entre esses dois gigantes da Literatura, uma série de afinidades e similitudes. Não apenas de ordem puramente literária, mas também existencial. Vejamos alguns pontos que de certa forma aproximam […]

Continue lendo »

Quem é Deus?

Quem é Deus? Eis aí uma indagação que pode não fazer sentido para os ateus e os agnósticos, mas que preocupou sempre, e continua preocupando, em todas as latitudes do planeta, os crentes de todos os credos. Não serei eu quem terá a estulta pretensão de responder a tal pergunta. Darei a palavra a filósofos ilustres e a teólogos respeitáveis. […]

Continue lendo »

Os três Sócrates (mais o de Xantipa)

Confesso que ao tomar contato pela primeira vez com o retrato de Sócrates “pintado” pelo seu amigo e discípulo Platão, em alguns dos seus “Diálogos” admiráveis, cheguei a pensar – e sei que não estava sozinho nessa concepção privativa – que se tratava de uma criatura, de um personagem, talvez até mesmo de um heterônimo engendrado pela superior criatividade platônica. […]

Continue lendo »

Reflexões sobre a violência

A espiral da violência e da criminalidade (que nem sempre constituem uma explosão desenfreada do irracionalismo humano, mas são, muitas vezes, uma erupção dramática, provocada por carências sociais irreprimíveis), atinge patamares simplesmente inquietantes. Não há como evitar essa constatação: os meios de comunicação de massa se encarregam de nos oferecer, quotidianamente, imagens dramáticas dessa realidade sombria. Assim, enquanto os psicólogos […]

Continue lendo »

O mais belo texto do mundo

No final dos anos noventa, um conceituado crítico e ensaísta francês, Jean-Pierre Thibaudat, tinha oportunidade de publicar no hebdomadário francês “Liberation”, um interessantíssimo artigo. Qual o título? “Le plus beau texte du monde”. Dele me apropriei, aliás, devidamente traduzido para o vernáculo, para intitular o escrito fluente. A que texto – e autor – estaria se referindo o escritor francês? […]

Continue lendo »

À margem da política

Ensina a sabedoria popular que a política é a arte de engolir sapos. Não comungo desse ponto de vista. Penso, antes, que são certos políticos que obrigam a maioria dos seus eleitores à deglutição dos indigestos batráquios. Um fato é inegável: a política, no mundo inteiro, vive uma época de crise sem precedentes. Jamais o seu descrédito foi tão notório. […]

Continue lendo »
1 2 3