Os cinejornais

canal-100-capa

Antes do advento da televisão, um público curioso para assistir a cenas políticas, sociais ou esportivas, de que só tinha lido, visto fotos ou ouvido no rádio, fez surgir o complemento nacional como parte inicial das sessões cinematográficas. Obrigatório a partir do Estado Novo de Getúlio nos anos 40, estendeu-se até o início dos anos 80, produzidos semanalmente. A lei […]

Continue lendo »

Emoções perdidas

cinema-179-jensen

Antigamente se usava a expressão “silver screen”, ou seja, tela prateada, para filmes em preto e branco, que vinham com emulsão ou banho de prata, melhorando muito o contraste e o brilho, que não eram comuns a todas as cópias, bem mais caras. Segundo os antigos, a projeção ficava maravilhosa, mas o tamanho das telas, hoje, é uma fração do […]

Continue lendo »

Cinema. Ed. 178

capa-cinema-178

Olympia (1938José Augusto Jensen Documentário épico sobre a 11ª Olimpíada da era moderna, de 1936, em Berlin. Concebido e editado por Leni Riefenstahl, a cineasta de Hitler, é considerado o mais comovente registro cinematográfico sobre o esporte e a competição física já produzido. Mais de 30 câmeras foram usadas, 400.000 metros de filme rodados, que somaram 250 horas. Seis meses […]

Continue lendo »

As distribuidoras cinematográficas

capa-jensen-177

Perto da Cinelândia curitibana, no início da rua Des. Ermelino de Leão, principalmente, situavam-se quase todas as filiais dos grandes estúdios que faziam a distribuição de seus filmes por estas bandas. Metro-Goldwin-Mayer, Columbia, Fox, Paramount, a Art Filmes, que aglomerava produções europeias, principalmente francesas, alemãs e italianas, a Rank inglesa, e outras. Atendiam todo o Paraná e Santa Catarina. Eram […]

Continue lendo »

Poeiras

capa-cinema-jensen-176

No coração da cinelândia curitibana, existiram dois cinemas populares, que faziam a alegria da gurizada nos anos 1930 e 1940, nas matinês de finais de semana, com seriados, “faroestes”, e toda sorte de filmes chamados “B”: o cine Broadway, na esquina da travessa Oliveira Belo com a Quinze de Novembro, e o Cine Odeon, onde hoje é a Galeria Tijucas. […]

Continue lendo »

O cinema no cinema

capa-cinema-jensen

“Cinema Paradiso”, escrito e dirigido por Guiuseppe Tornatore, de 1988, com Philippe Noiret, bela trilha de Ennio Morricone, é uma magnífica declaração de amor ao cinema, à infância e aos antigos trabalhadores da sétima arte. Principais prêmios: Oscar e Globo de Ouro de filme estrangeiro, grande prêmio do júri do festival de Cannes, British Academy Awards, de melhor filme estrangeiro, […]

Continue lendo »

Na nuvem

IMG_0156

Com uma smart TV, ligada a um bom sinal de internet e um cartão de crédito, podemos assistir concertos ao vivo com a Berliner Philharmoniker ou acessar seu arquivo de vídeos com documentários e concertos. Ou acessar o Metropolitan Opera, de New York. Para filmes, documentários, musicais, séries, entre tantas temos a Netflix, que se consolidou no Brasil ano passado. […]

Continue lendo »

Música Erudita. Ed. 174 – Monumento sonoro

capa-erudita

Entre os milhares de refugiados da Hungria, na invasão soviética em 1956, estavam muitos músicos que chegavam apenas com seus instrumentos. Oitenta deles formaram uma orquestra de alto nível em Viena, a Philharmonia Hungarica, com a generosa assistência de algumas organizações filantrópicas. Outro exilado húngaro pré Segunda Guerra, Antal Dorati, depois de um longo período regendo e gravando com orquestras […]

Continue lendo »

Estreias tardias

001w59ca

Para os de hoje é inconcebível, mas filmes demoravam dois anos ou mais para chegar às telas curitibanas. E eram exibidos em uma sala, raramente duas, utilizando a mesma cópia com diferenças de horários. Os filmes eram negociados em pacotes, quase um ano depois de produzidos e com exclusividade para uma empresa exibidora. Isto gerava um tipo de filme e […]

Continue lendo »
1 2 3