A publicidade na Cinelândia curitibana

jensen0abre

No número 170 desta revista, abordei algumas promoções que gerentes de cinema, atuando como publicitários, movimentavam na principal avenida de Curitiba, além das fachadas e dos cartazes. Aqui vão mais algumas histórias. No início do cinema mudo em Curitiba, eram exibidos filmes curtos de um rolo (pouco mais de 10 minutos). Quando aparecia uma produção de dois rolos ou mais, […]

Continue lendo »

Cinema nas alturas

jensen0_abre

Pelo que se tem notícia, um filme foi exibido pela primeira vez num avião em 1921. Foi a bordo de um Aeromarine Airways anfíbio, deleitando seus 11 passageiros com um curta-metragem mudo, “Howdy Chicago”. O entretenimento, quando acontecia nessa época, era presencial e a música ao vivo tornou-se muito popular entre os passageiros americanos. O Dirigível Hinderburg alemão, de 1936, […]

Continue lendo »

Ópera no cinema

jensen0abre

Nas salas digitais de hoje, vemos programadas algumas sessões especiais com óperas e balés, produções de teatros mundiais famosos. Mas claro que isto não é cinema, é teatro gravado. Todavia foram produzidas verdadeiras obras-primas cinematográficas com óperas. Eis algumas delas. “Don Giovanni”, de W. A. Mozart, foi produzida por Michel Seydoux para a Gaumont francesa em 1979, com direção de […]

Continue lendo »

Mignone – Neschling

art_jensen_mignone_0_abre

Francisco Mignone (1897-1986) nasceu em São Paulo e sua formação musical teve início com seu pai, flautista profissional. Estudou piano no conservatório, com mestres de origem italiana, já que, como escreveu Vasco Mariz, São Paulo (nesta época) era uma verdadeira extensão da Itália. Iniciou sua carreira na música popular sob o pseudônimo de Chico Bororó, conhecido por tocar nas rodas […]

Continue lendo »

Cinema clandestino

jensen_0_abre

Após 1964, e enquanto durou o regime militar, para qualquer filme, documentário, trailer, era obrigatório o certificado de censura, que, além do documento em papel, tinha que ser projetado antes de cada apresentação, seja em cinemas, clubes ou qualquer exibição pública. Era emitido pelo “Serviço de Censura e Diversões Públicas”, departamento da Polícia Federal. Além da classificação por faixa etária, […]

Continue lendo »

O “faroeste”*

jensen0abre

O menino Zito acordou cedo para ir ao cinema. Fazendo pequenos serviços aqui, ali, ou pedindo ao pai, contava seus trocados para uma farta matinê, ou no cine Broadway, ou no Odeon, e, poucos anos depois, no cine Curitiba, os chamados “poeiras” da capital paranaense. No programa, três filmes, ao menos dois faroestes, dois seriados, uma comédia curta, trailers, mais […]

Continue lendo »
1 2 3 5