13 anos cabalísticos

mazza-180

Nem todos os candidatos a prefeito e vereador do PT ousam definir a própria identidade, a estrela e o número da zebra, tão vitorioso nos treze anos. Da mesma forma que Michel Temer tenta fugir do público para driblar a vaia, os lulopetistas buscam ocultar a própria face. Aliás no Paraná isso foi flagrante mesmo em campanhas bem sucedidas do […]

Continue lendo »

Imperialismo já era

quixote

Em momento de excitação patrioteira, como era o tom da campanha presidencial de 1960, o divisor de águas entre nacionalistas e entreguistas, havia um redutor muito parecido com o de hoje entre coxinhas e petralhas. Essa circunstância mostra que a esquerda de hoje é como a daquele tempo com praticamente o mesmo ideário que sataniza o liberalismo ou qualquer sinal […]

Continue lendo »

Corrupção e o elixir da ideologia

mazza-178

Volta e meia quando os políticos são denunciados pela prática de corrupção a reação é inevitável, como se viu com Lula e Dilma, lembrando da extinta UDN, União Democrática Nacional, que explorava o tema de uma forma genérica e sem clara fundamentação. Numa delas a carga contra Getúlio Vargas, por supostos ganhos de aliados nos impostos da nossa barreira alfandegária […]

Continue lendo »

Vaia, um direito gutural

mazza-177

Como o bebê ao nascer dá o seu sinal de vida com o choro alentador para os pais, realçando-lhe a saúde e a bem-aventurança, a vaia em atos políticos é a contestação mais forte e instintiva nessas situações, e também nas artísticas. Aí se incluem as vaias a cantores clássicos como teria ocorrido com o genial Luciano Pavarotti (imaginem a […]

Continue lendo »

O vendedor de trovas

rua-xv

Fala-se costumeiramente que poesia é a literatura que menos vende. Isso é axiomático, tal o relato das editoras que mostram o fiasco mesmo de gênios como Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, João Cabral de Melo Neto ou de figuras da província e com expressão nacional como Helena Kolody, Paulo Leminski ou ainda Emílio de Menezes, da transição parnasiana para o […]

Continue lendo »

Papagaio de corrente

papagaio

Um dos piores apelidos aos boêmios dos anos quarenta a sessenta era o de “papagaio de corrente”, isso é disposto a ir cedo para casa e não ter problemas com a mulher. Naqueles anos as mulheres não tinham essa pegada de hoje, institucionalizada em leis protetoras, razão pela qual suportavam – e isso se dava em particular com as dos […]

Continue lendo »

O Ópera Rio

mazza-2

Uma coisa é o Operário, a sociedade beneficente famosa, com participação histórica nas ações obreiras: outra o Ópera Rio, a designação simulada, eufemística, de maridos, amantes e noivos para referir-se com um nome tão pomposo a um lugar clandestino. Um mimetismo clássico dos curitibanos: o sujeito ia aos bailes do Curitibano, Circulo Militar, Thalia no carnaval e não perdia, de […]

Continue lendo »

Lírico e assustador

WCT_06 de junho de 2011_0010

Da mesma forma que temos imensa dificuldade em deixar de fazer analogias entre os atuais e os anteriores componentes da “Escolinha do Professor Raimundo” de Chico Anísio, também é bem complicado rever um espaço lírico de infância com o cenário da atualidade. Inevitável diante dessas situações em colocar o passado à frente do presente a começar do comandante da trupe, […]

Continue lendo »
1 2 3 4