Joana e Georgia

Aceclofenaco a cada doze horas e paracetamol mais fosfato de codeína de seis em seis horas. Dessa maneira Geraldo faz a marcação de seus dias recentes e as noites que segue acordado desde que elas, as duas, se foram. Por muito tempo, companheiras inseparáveis dele. Viajaram, juntos estiveram em praias, saunas, montanhas, piscinas, mares, restaurantes, quartos de hotéis e pousadas […]

Continue lendo »

O Ex-Poeta

Já não lembro o período em que trabalhei na Mais Laiquis. Há três, cinco, dez, quinze, vinte anos? Mais? Menos? E importa precisar ao certo quando? Se a experiência foi ótima ou não? Difícil fazer uma análise hoje, mas tem um episódio inesquecível que pode revelar parte do funcionamento da empresa – apesar de que nunca compreendi como ela era […]

Continue lendo »

Branca

Teve aquele siricutico de se afirmar resistente, e Branca postou: serei resistência! Tanta gente fez o mesmo, mas uns poucos, como o Joseph, a Irony e o Hate, vaiaram: resistência de chuveiro? Então, a máquina do mundo gira, a pomba também girou, e surge um convite. Salário nesse tempo de doze, treze, catorze, quinze milhões de desempregados. Evidente, evidentemente ela […]

Continue lendo »

Antes das seis

É um milagre ouvir Electric Ladyland. Já nos primeiros segundos você pode entrar no universo sugerido por Jimi Hendrix. Lá tem cores, movimento permanente, sequências não óbvias, quase nada parado, talvez apenas você que ainda não entrou nas canções e no muito que elas têm. Do mundo Electric Ladyland você pode seguir para o Blue Train, de John Coltrane, ou […]

Continue lendo »

Binaca

Nunca mais fui ao Café & Restaurante Trem Pagador. Almocei por anos no local, onde a refeição era e talvez ainda seja servida até as 15 horas. Por ser autônomo, poderia, em tese, almoçar na hora em que quisesse. No entanto, para sobreviver sou obrigado a participar de reuniões, algumas realizadas no tradicional horário de almoço. Mas, enfim, frequentei assiduamente […]

Continue lendo »

Quase surge um nada

Natália diz que vai criar um personagem absolutamente original. Mostro os dentes, fecho a boca, ela quer saber qual o motivo da minha risada e sigo em silêncio. Repete que o seu plano é construir um protagonista inédito em âmbito mundial. Durante uma pausa em seu discurso, comento que também vale recriar algum personagem do Shakespeare ou do Dalton Trevisan, […]

Continue lendo »
1 2 3 4