O maldito gosto do sabão

polz-179

“Seu livro é ruim”. “Seu livro tem defeitos”. Imagino como deve ser desagradável para um escritor ouvir esse tipo de coisa. Sobretudo numa época em que autor e obra tanto se confundem, fazendo da literatura (e de outras expressões artísticas) tão-somente uma expressão do eu infantil, isto é, do narcisismo. Conheço o contista Márcio Renato dos Santos de outras épocas, […]

Continue lendo »

A ruína das catedrais imensas

1-Amiens-Cathedral

Este mês, pretendia escrever uma longa matéria sobre poesia. Liguei para umas cinco pessoas, amigos antigos e supostos leitores de poesia contemporânea. Nenhuma das conversas rendeu coisa que valesse a pena ser publicada. E o motivo é muito simples: a poesia morreu. Se esqueceram de enterrar o cadáver é outra história. Não que eu me surpreenda, claro. Há algum tempo, […]

Continue lendo »

Para desespero do neófobo

paulo-177

Sou inegavelmente um neófobo. Não me orgulho disso. Aprendi a ser assim depois de inúmeras decepções com jovens gênios, promessas, supostos virtuoses das letras e coisas afins. É uma pena, eu sei. Provavelmente ando perdendo a oportunidade de ler muitas coisas boas. Neófobo que sou, pois, foi com aquele olhar meio constrangido que recebi toda prosa (assim, em minúsculas mesmo), […]

Continue lendo »

A arte de ser otário

mapa

“Em tupi, ‘ritiba’ quer dizer ‘do mundo’”. Quando cunhou este delicioso aforisma, o saudoso Millôr Fernandes por sorte não encontrou resistência aqui no Primeiro Planalto. Eram outros tempos. Por mais provincianos que fôssemos (e ainda somos), sabíamos rir de nós mesmos – o que é virtude essencial para qualquer pessoa que dê valor ao Tico e ao Teco. A despeito […]

Continue lendo »

A improvável arte dos mortos

cemiterio2

Longe de qualquer estereótipo gótico ou coisa assim, Clarissa Grassi sempre gostou de frequentar cemitérios. Não pelo lado mórbido da paisagem, e sim pela calma e tranquilidade que ela evoca. “É um lugar quase catártico”, diz. “Eu gostava de caminhar pelas alamedas, admirar as esculturas”. Até que, no começo dos anos 2000, o que era apenas um refúgio virou uma […]

Continue lendo »

Elogio da Alienação

alienaccao

Há quem comemore a politização extrema do brasileiro contemporâneo. Não faltam aqueles que exaltam o “único lado bom” da atual crise política: o cidadão comum está tão imerso no debate político que sabe o nome de deputados, senadores e até dos ministros do Supremo. O que é, evidentemente, uma tragédia. Povo politizado não é só povo infeliz; é povo oprimido. […]

Continue lendo »

Isto é Brasil

capa-17abr2016

Eu estava deitado no sofá, tentando sobreviver ao calor insuportável do outono curitibano, quando começou a votação pela admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara – popularmente conhecida apenas como “votação do impeachment”. Já no começo deu para ver que o espetáculo seria divertido. Ao menos para alguém que gosta de comédia-pastelão, como eu. E tudo correu […]

Continue lendo »
1 2 3