Ave Maria Julieta

Em meio ao elenco de cronistas masculinos, havia, por volta dos idos de 1977, uma figura feminina. Sua crônica assumia, plenamente, um vigor alternativo de mirada. Em seu curriculum vitae, registrava a condição de professora de Literatura, na Argentina. Ostentava um sobrenome de altíssimo quilate. Sempre aos sábados, seu espaço tornara-se imperdível àqueles que, como eu, a aguardava ansiosamente. Mas […]

Continue lendo »

O pai do Pasquim

Creio que as três maiores virtudes que um jornalista possa ostentar, a saber: talento, ímpeto, vocação; indiscutivelmente, foram uma constante na trajetória de Tarso de Castro. Em recente leitura de sua intrigante biografia, brilhantemente realizada por Tom Cardoso/Ed. Planeta, podemos avaliar o quanto de empolgante marca o percurso desse personagem nascido em Passo Fundo e que, em determinada circunstância histórica, […]

Continue lendo »

Ilustre e anônimo

A década de 1980, em termos de mercado editorial, obteve um registro histórico, inegavelmente, por razão da abertura política. Verdadeira profusão de títulos. Tudo que, até então, estivera proscrito pela censura, retornava às livrarias. Curiosamente uma editora despontava. Vinha pela chancela da turma do Pasquim. Lembro que o nome me acionava inumeráveis possibilidades de significados. O nome Codecri me intrigava. […]

Continue lendo »

Coletando constelações

A missão do biógrafo lembra, em sua densa maioria, algo próximo de atento coletor de pepitas. Age num percurso de inúmeras fases de coleta. São etapas de intensas buscas, peneiragens, garimpos, trabalhosas investigações documentais, depoimentos, além de saber ordenar, hierarquizar indícios seguros de vestígios falsos. Em se tratando de Ruy Castro, estamos nomeando, salvo engano, o mais renomado representante do […]

Continue lendo »

CHC

Em algumas vezes, acontecia: infelizmente, hoje, o jornal apenas servirá para forrar a gaiola do canário. Em pleno domingo, no espaço destinado, folha 2, não saiu o texto do CHC. Parecia que o céu começava a nublar. Passar o domingo sem lê-lo, algo como a roda-gigante emperrar ou a derrota do nosso time mediante fragorosa goleada. Desvendando as iniciais: Carlos […]

Continue lendo »

O lançador do frescobol

Em 16 de agosto de 1924, no “Principado do Méier”, nascia na Rua Isolina, nº 59, um cidadão chamado Milton Fernandes. Mais eis que, por um erro cartorial, o escrivão, sabe-se lá o porquê, escreveria Millôr… Doravante a estrada estaria lançada. O cronista, poeta, tradutor, dramaturgo, ademais: “inventor do frescobol”, Millôr Fernandes, começara sua trajetória de Dickens do Méier aos […]

Continue lendo »

O mais carioca dos mineiros

Ouro sobre azul. Nada mais exato que a expressão. Relembro o “escrete mineiro”, aquele onde despontavam, com intenso brilho, talento inegável, nomes assim: Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Hélio Pelegrino e Otto Lara Resende. Sem contar com os titulares absolutos: Drummond e Pedro Nava. Caso seria de lembrar o parentesco de tal elenco, notadamente, com a camisa estrelada do Cruzeiro. […]

Continue lendo »

O Proust de Vila Isabel

Em certo período da Universidade, surgira uma disciplina: Técnica de Composição Escrita. Dentre as opções lançadas, uma, por certo, me enstusiasmara de pronto: A Letra de Música & Seu Universo. Trabalho individual. Tão logo sabedor da tarefa, tratei de sair em busca de um nome representativo. Sem pestanejar, pensei naquele que traduzia os aspectos mais “clamorosos” àqueles que sabiam o […]

Continue lendo »

A Nelson o que é de Nelson

Força inegável de nossa brasilidade está no futebol. E tanto quanto tal força, nossa crônica esportiva sempre pontuou momentos de imbatível celebridade no gênero. Tivemos cronistas de inesquecível qualidade. Lembraria de Armando Nogueira (no JB), para quem o melhor capítulo da História do Futebol, inegavelmente, ficaria com o escrete húngaro de 1954, com Puskas & cia… Armando era o mais […]

Continue lendo »

Carlinhos do Antonio’s

O espaço da crônica tem uma “localidade” diferente dos demais gêneros presentes à Literatura. É um local especial de visada, uma espécie de mirante, onde o observador está, de certa forma, estrategicamente posicionado ante o(s) fato(s). E diante do ensejo desta, quero mencionar – em comovida referência – nomes de imensa consagração ao estilo crônica. Eis que: Rubem Braga (o […]

Continue lendo »
1 2