A Nelson o que é de Nelson

Força inegável de nossa brasilidade está no futebol. E tanto quanto tal força, nossa crônica esportiva sempre pontuou momentos de imbatível celebridade no gênero. Tivemos cronistas de inesquecível qualidade. Lembraria de Armando Nogueira (no JB), para quem o melhor capítulo da História do Futebol, inegavelmente, ficaria com o escrete húngaro de 1954, com Puskas & cia… Armando era o mais […]

Continue lendo »

Carlinhos do Antonio’s

O espaço da crônica tem uma “localidade” diferente dos demais gêneros presentes à Literatura. É um local especial de visada, uma espécie de mirante, onde o observador está, de certa forma, estrategicamente posicionado ante o(s) fato(s). E diante do ensejo desta, quero mencionar – em comovida referência – nomes de imensa consagração ao estilo crônica. Eis que: Rubem Braga (o […]

Continue lendo »

Uma visita

Ao entrar na Rua Duvivier, pensei: talvez esta inédita sensação possa estar me fornecendo a certeza de que, finalmente, encontrei a residência perfeita do poeta. À esquerda, um prédio, em negro mármore. Repentina visão de alguns móbiles flutuando à varanda… Novamente a certeza. Só poderá ser ali. Apresento-me ao porteiro. Que me informa: sim, ele reside aqui, mas o senhor […]

Continue lendo »

O fator leveza

Ao nos referirmos à palavra Arte, fatalmente estaremos determinando que, via de regra, acionaremos três eixos. A saber: natureza, nobreza, torpeza. Mas não seria o caso, aqui, de construirmos balizamentos teóricos ou, quando muito, rodapés de relevo erudito. A intenção é apontar para um fator, que acredito ser de grande importância: incluí-lo, por assim dizer, no bojo do universalismo que, […]

Continue lendo »
1 2