Romeu

Sabia que um dia nos encontraríamos. Eu assistia suas peças com olhar de raio X. Enquanto ele vestia os mais diversos personagens, despia-o sem prestar atenção ao texto ou avaliar a performance ou saber de cenário, figurinos, outros. Ele era sempre meu protagonista num monólogo lânguido, com gestos sensuais, movimentos precisos. Via-o como a personificação do prazer e adivinhava-o intimamente […]

Continue lendo »

Sem nome

Não sei o nome dele, não lembro. Na época anotei num papelzinho que colei com o ímã na geladeira, depois piquei e joguei fora. Ele chegou segurando a maleta de ferramentas na mão direita, o que o fez estender a esquerda e me cumprimentar assim, ao contrário, com um sorrisinho malicioso no canto da boca. Um pouco achei engraçado, um […]

Continue lendo »

Rômulo

No dia mesmo não fiz nada, fiquei anestesiada com a decisão. Não chorei. Não comi nem deixei de comer. Só um silêncio em torno de mim, um tipo de ausência. Minhas providências começaram no dia seguinte. Com medo dos caminhos das profundezas, procurei por distração. Tentei filmes, livros, volta no parque, café. Mas até os endereços que nunca frequentamos juntos […]

Continue lendo »

Samuel

Eu te escrevo de muito longe. Estou do outro lado do mundo. No avesso do que vivemos. Faz frio. É escuro. Tenho medo da escuridão, você sabe. Ela é para mim todas as trancas das portas, não as portas, as trancas; aquelas que seguram toda a felicidade de um lado e me mantém de outro. Vim parar aqui não por […]

Continue lendo »

Despedida

Eu sabia que quando desligasse o telefone o mundo se acabaria. Era como se o fio, a linha que nos unia estivesse toda entregue ao satélite e na cadência da respiração nos aproximávamos e nos separávamos. O compasso do coração. Pulsão de vida, pulsão de morte. Mesmo sem poder falar mais, sem chance de dizer o que gritava dentro de […]

Continue lendo »

Otávio

Estava suado, teve que subir os sete andares de escada e por isso me entregou o paletó ainda na porta. Fiz uma cara feminina e quis cuidar de sua roupa, peguei a peça com cuidado e a alisei antes de pendurá-la na cadeira. No meu movimento, senti no bolso interno, lado esquerdo, uma caixinha. Otávio foi ao banheiro, lavar o […]

Continue lendo »

Gláucio

Quando entrei em seu apartamento, vi que seus olhos estavam diferentes. Coisa que eu não sabia muito bem explicar nem definir. Senti. Pareciam duas imensas amêndoas ocas. Primeiro pensei que ele não queria que eu ficasse, fui ficando. Conversamos sobre o taxista que me levou, conhecia-o bem, era quem ele mandava me buscar e me levar e para quem sempre […]

Continue lendo »

Depois do carnaval

Na medida em que me misturava à multidão, estranhamente os rostos iam ficando mais indefinidos. Quanto mais perto, mais junto, mais integrada, menos detalhes. A massa me conduzia de um lado para o outro e eu não conseguia mais que acompanhar em pulos miúdos e sem ritmo o que ela ditava, até a música às vezes ouvia, às vezes não. […]

Continue lendo »

O passado que insiste

Acho que ele esqueceu de voltar. Só isso. Saiu, deu dois passos e seguiu a caminhada. Olhou para o horizonte, amplo e tentador, e deixou do presente como se já fosse passado. No começo, o silêncio. Duro, profundo, onipresente. A cada estalido da madeira da estante da sala, corria para janela a procurar seus passos no quintal. A campainha do […]

Continue lendo »

Sustento

Eu estava acostumada a receber presentes dos homens. Uma vez ganhei colar reluzente, esmeraldas. Passei a vestir verde para combinar. Saias, xales, camisas. Andava com a joia pendurada no pescoço. Quando o remetente se revelou, descobri que era a lingerie que precisava ornar com as pedras. Com o tempo, outras pedras, outros homens. Eu era bonita, jovem, carnes duras. Tinha […]

Continue lendo »
1 2 3 4 5