De concreto e amor

Ela fechou a porta e sentou. Sala vazia. Nada em volta. Aquelas paredes ainda não eram suas. A compra da casa, os papéis, a vida dividida em caixas em cima do caminhão. Mas aquelas paredes ainda não eram suas. Nada, nenhuma história, nenhuma vida vivida, nenhum cheirinho de bife ou café, nenhum eco de passado, nenhuma risada de filho. No […]

Continue lendo »

De casamento e solidão

Ela nem gostava tanto assim de Cícero, mas chamava-o sempre, e em público também, de Cicinho. As pessoas se comoviam. Cicinho gostava de ficar quieto: a monotonia da televisão e o namoro no sofá, sempre vigiado, lhe eram suficientes. Por várias vezes ela puxou assunto de casamento. Contou da prima Bernadete que casou com um caminhoneiro e era feliz nos […]

Continue lendo »

Silêncio

Não fale. Eu acho que vamos bem assim! As palavras estragam, revelam, contam o que deveria ser descoberto pelo olhar e pelo gesto. Não fale. Eu prefiro adivinhar pensamentos. É empresa difícil ler o corpo, mas é prazer garantido descortinar os mistérios. Eu gosto de vê-lo chegar aqui, mudo, mãos nos bolsos, fio de suor na testa, escondido em silêncio […]

Continue lendo »

Josué

Algumas pessoas nasceram para o amor. Para as aventuras errantes, os precipícios dos corpos, o prazer da carne. Na pele, eu senti que não tinha vocação. Desde meninota muito tímida, muito reclusa, sem vaidade e sem vontade. Cresci. Namorei, noivei e casei. Tinha certa satisfação ao cumprir com minhas obrigações de fêmea, mais porque gosto de arcar com todas as […]

Continue lendo »

A cor do desejo

Você nem imagina como fico quando sei que vamos nos encontrar. Passo horas a escolher a roupa certa, o sapato, a bolsa, os brincos. Essas coisas que você nem repara, mas que sei que me colocam mais bonita. Visito o espelho uma, duas, três vezes. Troco a saia, uma mais curta. Mudo o sapato, um mais alto. Batom vermelho, depois […]

Continue lendo »

Confissões

Na casa da minha mãe, os homens falavam baixo, mas diziam muita coisa. Às vezes com o olhar, às vezes com as mãos. Cresci acostumada. Nem achava ruim. Cicinha sempre chorava escondida, mas eu não. Eu sabia que aquela era minha vida, meu jeito de viver neste mundo. Sempre vivi assim. O primeiro fora de casa foi o Dirceu, o […]

Continue lendo »
1 3 4 5