Bife Wellington

Ora, pois, há quem insista em dizer que o bife Wellington tem o nome de Arthur Wellesley, 1º Duque de Wellington, o general e estadista britânico, nascido na Irlanda, que derrotou Napoleão Bonaparte na Batalha de Waterloo. Há até quem diga que Wellington inventou o prato de carne, trufas, cogumelos, vinho da Madeira e patê cozido em massa, mas há […]

Continue lendo »

Bacalhau à moda do Eça

  “Dis-moi ce que tu manges, je te dirai ce que tu es.” (Brillat-Savarin)   “Os meus romances, no fundo, são franceses, como eu sou, em quase tudo, um francês — exceto num certo fundo sincero de tristeza lírica que é uma característica portuguesa, num gosto depravado pelo fadinho, e no justo amor pelo bacalhau de cebolada!”, disse Eça de […]

Continue lendo »

Haddock à Jamil Snege

Nestes dias saboreei um belo haddock no restaurante La Varenne, do chef Ivo Lopes, acompanhado de Izabel Campana e Denise de Camargo. Delícias, o peixe, a companhia, o lugar. Imediatamente me veio a saudade de meu amigo Jamil Snege, que preparava um haddock maravilhoso. Aqui vai uma receita que Snege preparou algumas vezes. Saboreie. Acompanhado de bom vinho. Pasme, pode […]

Continue lendo »

O voto de um povo mais exigente

Há um clima de insatisfação social latente nesta pátria em chuteiras. É o que detectam as pesquisas de opinião, encomendadas por candidatos, marqueteiros, publicitários e assemelhados. Gente preocupada em saber como está o ambiente político neste ano eleitoral. Políticos detestam surpresas. As manifestações de junho de 2013 mostraram um brasileiro insatisfeito. Os avanços que deram uma chance nova de ascensão […]

Continue lendo »

Donos do poder

Em novembro de 1958, Érico Veríssimo recebeu um jovem advogado na Editora Globo. Trazia dois calhamaços de título acadêmico: “A formação do Patronato Político Brasileiro”. Érico leu a obra e percebeu o seu alcance, muito além do que uma análise conjuntural do país. Um livro para ser lido hoje por todos que queiram compreender as raízes profundas e imutáveis de […]

Continue lendo »

Exilado em Macondo

Li Cem Anos de Solidão em 1967, quando o regime fardado me hospedou como perigoso subversivo da ordem ditatorial. Tinha 20 anos e uma sede insaciável de liberdade. Refugiei-me em Macondo. Passei a viver um universo paralelo de personagens delirantes, cenas prodigiosas em que mito, fantasia e realidade se confundiam. Morreu García Márquez e ele está em mim desde a […]

Continue lendo »
1 3 4 5