Mignone – Neschling

art_jensen_mignone_0_abre

Francisco Mignone (1897-1986) nasceu em São Paulo e sua formação musical teve início com seu pai, flautista profissional. Estudou piano no conservatório, com mestres de origem italiana, já que, como escreveu Vasco Mariz, São Paulo (nesta época) era uma verdadeira extensão da Itália. Iniciou sua carreira na música popular sob o pseudônimo de Chico Bororó, conhecido por tocar nas rodas […]

Continue lendo »

Adriana Cult

caderno-adriana-0-abre

Adriana Sydor é a grande descoberta da literatura brasileira dos últimos anos. Desde a publicação de seu livro “Toda prosa”, ela alcançou um universo de leitores que a transformou em referência de uma nova forma de escrever. Adriana liberou seus textos dos cacoetes que revestem a literatura brasileira atual. A literatura de Adriana Sydor pulsa a vida que escorre nestes dias […]

Continue lendo »

A casa no lago

cronica_pellanda_0_abre

  Estou de pé, às margens do lago drenado do Passeio Público. Ao meu lado, um último biguá contempla, perplexo, o leito de concreto do grande tanque. Para ele, este é um cenário de sonho. Um pesadelo tornado real. Nasceu para mergulhar, mas não há água nem profundeza. Apenas planície. Na falta do que fazer, me faz companhia. Grato, retribuo […]

Continue lendo »

Um novo olhar (crítico) sobre a “Opus Majus” de Albert Camus

simoes (1)

1 O que representa, em última análise, “A peste”? O romance é plurissignificante, polissêmico. Não será possível captar nele um significado, uma interpretação, uma “leitura” unívoca. Começa por participar do simbólico e do imagético. É fábula, alegoria, parábola. Mais do que isso: metáfora transparente. Suma antiteológica (fragmento da suma que é a “opera omnia” camusiana), reflexão pascaliana (só em parte, […]

Continue lendo »

Arigatô: Os japoneses no Paraná*

japoneses0_abre

Até 1909 a maioria dos paranaenses nunca tinha sequer visto um japonês. Os registros da presença nipônica pelo estado antes dessa data são raros e pontuais. Somente naquele ano é que três aventureiros chamaram a atenção dos curitibanos de outrora. Com seus traços orientais típicos, Eihati Sakamoto, Jintaro Matsuoka e Shinkichi Arikawa atraíram os olhares de praticamente toda a sociedade. […]

Continue lendo »

Um Paraguai de puro ‘petáculo

helio0_abre

(Tradução de Jamil Snege) Quero propor uma questão que considero a pergunta-chave de nossas investigações: onde buscar a cultura paraguaia? E, por extensão, que secretos sítios esquadrinhar à procura de seus códigos e mecanismos de funcionamento? Essas perguntas são pertinentes porque se estribam na seguinte constatação: não existe apenas um Paraguai, porém dois – culturalmente falando. Dois países que coexistem […]

Continue lendo »

O Paraná germânico

alemaes-0-abre

Ao entrar naquele navio, José Hauer Senior não imaginava o que lhe esperava do outro lado do Oceano Atlântico. Durante dois meses e meio, ele driblou o enjoo, a fome, a sede e a ansiedade. Era um jovem sonhador de apenas 22 anos que fugia das mudanças de ordem econômica, política e social que assolavam os territórios alemães. Natural de […]

Continue lendo »

Pacífico porque eterno

guido

Uma vez escutei de um crítico literário que a leitura tinha ficado pela sua adolescência. Nos dias atuais não se dedicava aos romances. Colocava-se num patamar distante. Acredito ser uma exceção, mas, como pouco tive contato com estes críticos oficiais, levo esta encenação viva na memória. No meu caso, para ser simples, sinto sempre a leitura como necessária. Como se […]

Continue lendo »
1 2 3