Madeleine, mon amour!

Foi amor à primeira vista. Caminhava pelos corredores do metrô parisiense, e ao chegar à estação Sèvre-Babylone em S.Germain, avistei Madeleine através de um vidro protetor que me separava do local onde estava a minha futura amada. Olhei para ela com grande curiosidade e a desejei imediatamente. Fiz a aproximação, ganhei sua atenção, cheirei e finalmente a comi. Nunca mais […]

Continue lendo »

Free as a bird

Luiz Felipe Leprevost. Foto: Marco Novack O escritor Marcio Renato dos Santos, jornalista e mestre em Estudos Literários pela UFPR, analisa Salvar os pássaros, livro de prosa de Luiz Felipe Leprevost   A linguagem fluente leva o leitor da primeira à 175ª página, a última, de Salvar os pássaros (Encrenca: Curitiba, 2013), o mais recente livro de Luiz Felipe Leprevost. Apresentado […]

Continue lendo »

Silêncio

Não fale. Eu acho que vamos bem assim! As palavras estragam, revelam, contam o que deveria ser descoberto pelo olhar e pelo gesto. Não fale. Eu prefiro adivinhar pensamentos. É empresa difícil ler o corpo, mas é prazer garantido descortinar os mistérios. Eu gosto de vê-lo chegar aqui, mudo, mãos nos bolsos, fio de suor na testa, escondido em silêncio […]

Continue lendo »

Prateleira. Ed. 146

Doris Lessing Doris Lessing (1919-2013) Doris Lessing morreu domingo, 17 de novembro. Tinha 94 anos. Nasceu em Kermanshah, no curdistão iraniano, onde o pai era funcionário do Banco Imperial da Pérsia. A família transferiu-se em 1923 para a Rodésia do Sul (atual Zimbábue), onde Doris permaneceu até 1949. Naquela antiga colônia britânica viveu durante 26 anos, tornou-se comunista, casou duas […]

Continue lendo »

Dos escombros cracovianos

Vim dos escombros cracovianos, daquele nojento sítio repleto de maldade alheia, aleatória. De lá eu nasci, carreguei a desconfiança da vida, a destemperança do ódio, absurdamente fazia-me feliz quando o tiro saía pela culatra, torcia pela morte, torcia pelo aborto, torcia pelos canhões. Esperava ansiosamente receber uma bala, um doce e gentil tiro, para tirar de vez aquilo que Boreh […]

Continue lendo »

Amor a nenhuma vista

Acreditar em amor à primeira vista é fácil. Quero ver fazer como eu e ter um amor a “nenhuma” vista. Sim, isto mesmo. Nunca a vi pessoalmente e mal conversamos. Trocamos algumas linhas de texto totalmente triviais e sem nenhum assunto provocativo. Simples assim. Ah… Claro… Tenho muitas fotos dela, poderiam dizer. Não… Só uma. A que eu fico admirando […]

Continue lendo »

Cinema. Ed. 146

Cena do filme “Hiroshima Meu Amor” Resnais e a memória do mundoÂngela Chiarotti Há nos filmes atuais de Alain Resnais a insistência de uma antiga e “profunda inquietude sobre a desaparição do sentido dos signos”. Amores Parisienses e as roupas empilhadas que remetem a Noite e Neblina. Medos Privados em Lugares Públicos e a neve incessante que remete às cinzas […]

Continue lendo »

Bondade natalina

Quero pedir licença para bater um papo. Como se estivéssemos em um balcão de bar. Vamos pensar um pouco. Estamos em dezembro e uma bondade imensa e inexplicável envolve as pessoas. Em um primeiro momento são feitos planos para quitar dívidas e investir o décimo terceiro. Este ímpeto dura pouco. Desanda. Começam as festas de final de ano e amigos […]

Continue lendo »
1 2 3 4