Mundo, mundo, vasto mundo

Jorge Luis Borges nos diz em seu prólogo ao Atlas que descobrir o desconhecido não é uma especialidade de Colombo, de Simbad, de Érico, o Vermelho, de Copérnico ou de Pedro Álvares Cabral. Não há um só homem que não seja um descobridor, diz ele. Começamos todos por descobrir o amargo, o salgado, o côncavo, o liso, o áspero, as […]

Continue lendo »

Muito amor na cadência

Muito amor na cadência   A impressão que tenho é que se trata de uma saída da fantasia para dar uma voltinha na realidade, coisa como quando estou dormindo e sonhando e sei, jeito (in)consciente, que estou dormindo e sonhando. É assim que funciona quando escuto uma música que cita, a qualquer tempo, um artista. Há um câmbio entre o […]

Continue lendo »

A luz de Vanessa Kosop

O que faz uma pessoa escolher esta ou aquela profissão? Um chamado de dentro de si? Gostar ou preferir fazer algo em detrimento de outra coisa?  E não se importando com outras opiniões, de familiares e amigos, se a escolha não é aquela que pensam ser a certa? A que daria mais dinheiro e menos satisfação? Ou o contrário? Ou […]

Continue lendo »

Uma travessia proustiana

No documentário de história oral do Paraná, feito pelo Bamerindus e hoje no acervo do Museu da Imagem e do Som, o professor Luis Carlos Tourinho inicia um depoimento falando sobre suas memórias de infância e notadamente dos odores de Curitiba, um mergulho sensorial no tempo. Não há como estabelecer tal paralelo com os dias de hoje até porque quando […]

Continue lendo »

Não sou o inimigo

Não aguento mais ter que tomar partido, ser contra esse, a favor daquele, viver em conflito. Principalmente porque acredito que a verdade está sempre no meio do caminho. Vendo todos os lados da questão a razão geralmente está a meio-termo, e todos deveriam aprender a ceder. Por isso me irrito muito com essa dicotomia obrigatória que alguns governantes insistem em […]

Continue lendo »

Magnitude 7,7

Foto: Reprodução/site latino.foxnews.com   Estavam de frente um para o outro quando houve o estalo. Como quando constroem um prédio muito alto perto de uma casa antiga e vê-se a sombra projetada no chão como um gigante. Só quando está a uma distância longa percebe-se que aquilo tornou-se avassalador, monstruoso, com uma dimensão incalculada. Depois da demolição, depois do colossal […]

Continue lendo »

Prateleira. Ed. 164

Et Cetera e talUma das revistas literárias mais relevantes no cenário local e nacional, a Et Cetera teve seu primeiro número publicado no verão de 2003 e o último na primavera de 2006. Neste período foram publicadas dez edições – da zero a nove. Editada por Fábio Campana, já no número zero, a Et Cetera mostrou a avalanche de sofisticação […]

Continue lendo »

Despedida

Eu sabia que quando desligasse o telefone o mundo se acabaria. Era como se o fio, a linha que nos unia estivesse toda entregue ao satélite e na cadência da respiração nos aproximávamos e nos separávamos. O compasso do coração. Pulsão de vida, pulsão de morte. Mesmo sem poder falar mais, sem chance de dizer o que gritava dentro de […]

Continue lendo »
1 2 3