De pernas pro ar

Vivo num país de pernas pro ar. Minha sensação é de que está tudo do lado errado, tudo ao contrário. Essa agitação política toda me dá um sentimento ambíguo, agridoce. Fico feliz por viver um tempo em que a rua está sendo ouvida pela primeira vez de verdade na história dessa jovem democracia. Fico feliz por ter uma investigação verdadeira […]

Continue lendo »

Cultura sempre, com ou sem ministério

Caetano Veloso e Erasmo Carlos em apresentação do OcupaMinc. Foto: Divulgação Houve uma grita geral entre artistas sobre o sepultamento do Ministério da Cultura. Teve gente contra, gente a favor, gente que levanta protesto, gente que fez piada. Teve muita ladainha e pouca informação de verdade circulando. Gosto de saber dos fatos, dos números, das notícias que diminuem as possibilidades […]

Continue lendo »

A arte de ser otário

“Em tupi, ‘ritiba’ quer dizer ‘do mundo’”. Quando cunhou este delicioso aforisma, o saudoso Millôr Fernandes por sorte não encontrou resistência aqui no Primeiro Planalto. Eram outros tempos. Por mais provincianos que fôssemos (e ainda somos), sabíamos rir de nós mesmos – o que é virtude essencial para qualquer pessoa que dê valor ao Tico e ao Teco. A despeito […]

Continue lendo »

Liberdade, liberdade abre as asas sobre nós

A liberdade é uma linha no horizonte. Sabemos que ela não existe de modo íntegro, que jamais existirá, mas, ainda assim, todo nosso caminho deve ser em sua direção. Não há objetivo mais sublime de conquista, porque ela se mistura à alforria de qualquer pendenga. Meus amigos que viveram tempos custosos de proibições, patrulhas e censuras me contam das dificuldades […]

Continue lendo »

Bela, recatada e do bar

Esta entrevista aconteceu numa noite de segunda-feira, no começo do mês de maio, na casa da Adriana Sydor (colunista de música da Ideias), que colaborou com algumas perguntas, mas foi definitiva no creme de abóbora com carne-seca que acompanhou a conversa, regada a vinho. Fábio Campana também estava presente e foi determinante no andamento dos diálogos, com perguntas objetivas que […]

Continue lendo »

O vendedor de trovas

Fala-se costumeiramente que poesia é a literatura que menos vende. Isso é axiomático, tal o relato das editoras que mostram o fiasco mesmo de gênios como Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, João Cabral de Melo Neto ou de figuras da província e com expressão nacional como Helena Kolody, Paulo Leminski ou ainda Emílio de Menezes, da transição parnasiana para o […]

Continue lendo »

Esperança equilibrista

Gonzaguinha. Foto: Divulgação   Dizem por aí que o homem é feito de esperança. Por acreditar é que segue em frente, traça planos, arquiteta ideias, sonha. Pode ser, não sei. Tenho um pé atrás com esse lance de esperançar, mas sei que é por algum tipo de ideia que se mistura com o otimista conceito de ter fé no porvir […]

Continue lendo »

A improvável arte dos mortos

Longe de qualquer estereótipo gótico ou coisa assim, Clarissa Grassi sempre gostou de frequentar cemitérios. Não pelo lado mórbido da paisagem, e sim pela calma e tranquilidade que ela evoca. “É um lugar quase catártico”, diz. “Eu gostava de caminhar pelas alamedas, admirar as esculturas”. Até que, no começo dos anos 2000, o que era apenas um refúgio virou uma […]

Continue lendo »
1 2 3 4