A minha cidade é minha

A minha cidade é minha. É minha porque cuido, porque zelo por ela. É como alguém da família. Sei dos seus defeitos e procuro ajudá-la a repará-los. Sei de suas qualidades e procuro enaltecê-las. Essa cidade é minha porque conheço seus caminhos, seus ritmos. Sei da sua pista mais rápida, o caminho mais curto, a casa mais bonita, o ipê […]

Continue lendo »

A mente autoral de Valdir Cruz

Entre 19 de agosto e 4 de dezembro de 2016, o fotógrafo paranaense, nascido em Guarapuava, Valdir Cruz estará expondo as suas fotografias no Museu Oscar Niemeyer: “Valdir Cruz: Imago – o olhar do sabiá”. Tive o prazer de conversar com ele nas dependências do MON enquanto prepara a mostra. O hoje respeitado e criativo fotógrafo foi em 1978 para […]

Continue lendo »

Os vikings no Paraná

A presença de “vikings” na vida do Paraná não é novidade. Minúscula, essa imigração de homens e mulheres vindos da Islândia (Ice Land, a terra do gelo, território que é a metade do paranaense), é apenas muito pouco conhecida. A universidade nada produziu sobre ela e poucas são as referências bibliográficas existentes sobre o assunto. As grandes levas de europeus […]

Continue lendo »

Confrarias, Charutos e Culinária

Um dia fiz parte de uma das mais antigas confrarias de charutos do Brasil: a saudosa e inesquecível LOS PUROS. Ela foi um símbolo de alguns privilegiados epicuristas curitibanos. A confraria se reunia mensalmente em volta de grandes jantares acompanhados de grandes vinhos e a obrigatoriedade de se degustar os puros cubanos. Era uma festa móvel como diria Hemingway e […]

Continue lendo »

Altius. Fortius. Citius

Ah, se pudéssemos listar tudo de bom que ficou desta Olimpíada “à la carioca” como chamou o presidente do COI… “À la Usain Bolt” então lá vai: ufa! Aquele baita pavor de que algo desse (muito) errado foi infundado. Até mesmo os problemas das instalações inacabadas da delegação australiana e o canguru que o prefeito carioca pagou lá no começo […]

Continue lendo »

Moça, você não é obrigada a nada

“Quem me culpa? Muitos, sem dúvida, e me chamarão de insatisfeita. Não podia evitar: a inquietação era da minha natureza; às vezes tanta agitação me doía” Charlotte Brontë   Há algum tempo venho acompanhando a aglomeração de debates acalorados nas redes sociais sobre o feminismo. A visibilidade das discussões cresce e o entendimento de causa fica ofuscado. Infinitos textos são […]

Continue lendo »
1 2 3