A prerrogativa do sim

marianna

Apagar-me, para que meus olhos possam acostumar-se com o escuro. Toco onde está a falta, a fala, o silêncio. Onde se forma o vazio, onde está a essência, onde se encontra a raiz dos sonhos. A origem da linguagem. Na matemática imprecisa dos gestos, a vontade de mergulhar no abissal mundo dos segredos profundos, do rasgo em que se ouve […]

Continue lendo »

Brasil, um país com leis, muitas leis

leis

Corruptissima re publica plurimae leges Tácito Não é uma ciência exata, não é possível precisão na informação. Dizem, os documentos, os advogados, os historiadores, astrólogos, adivinhos, jornalistas, os antropólogos e os sociólogos, os juristas, curiosos, os estudantes e os matemáticos, os crentes, ateus, os cientistas, os veteranos de guerra, os palpiteiros e qualquer um que acesse as escrituras oficias, que […]

Continue lendo »

O gigante que ronca

jessica

Preciso buscar palavras exatas. As poesias que me desculpem, mas me faço questões como as de Adorno quando afrontou a escrita de poemas depois de Auschwitz. Longe do anacronismo e da má comparação. Mas o momento é de caos, mais um e diferente, e me parece não ser o último. Por isso poupo as palavras de várias interpretações escancaradas e […]

Continue lendo »

A decadênciada Cinelândia curitibana

jensen1

Em seu auge, anos 40 e 50, a cinelândia curitibana estava nas mãos de três empresas, a Orcopa, do historiador David Carneiro e administrada pelo dinâmico Ismail Macedo, a H Oliva, do Henrique Oliva, e a Sul, do empresário paulista Paulo Sá Pinto. Estes empresários tinham uma saudável e acirrada concorrência, procurando trazer grandes filmes, inovações tecnológicas e cinemas bem […]

Continue lendo »

Quem é Deus?

simoes

Quem é Deus? Eis aí uma indagação que pode não fazer sentido para os ateus e os agnósticos, mas que preocupou sempre, e continua preocupando, em todas as latitudes do planeta, os crentes de todos os credos. Não serei eu quem terá a estulta pretensão de responder a tal pergunta. Darei a palavra a filósofos ilustres e a teólogos respeitáveis. […]

Continue lendo »

Bons tempos do pregão

mazza

Num sol de rachar em Copacabana o vendedor anuncia, como se fosse o símbolo do otimismo, o sorvete aos gritos de “Kibon”, que bom. É a arte do pregão hoje praticamente inexistente. Curitiba dos anos 40 a 60 do século passado tinha uma protofonia de reclames, a principal delas a entoada pelas colonas que saíam de Santa Felicidade para o […]

Continue lendo »

Sérgio

susana

Você me disse para retirar tudo que disse. Não retiro, Sérgio, não retiro. E te digo, reafirmo, falo de novo, e quantas vezes minha alma pedir: eu não quero mais, não suporto você em minha vida, não te quero em minha casa, nem em meus planos de futuro. Te reservo um lugar, não exclusivo e nem permanente, em meus lençóis, […]

Continue lendo »

O século das sombras

Imagem: GeliKorzhev, Mutantes, 1973

Octavio Paz, que considero o mais eminente intelectual desta parte do mundo, costumava dizer que um dos piores males da América Latina é que não tivemos, aqui, século XVIII. No tempo em que aconteciam as Revoluções Americana e Francesa e se fundava o chamado mundo moderno, em pleno século das Luzes, éramos governados por D. Maria a Louca e esquartejávamos […]

Continue lendo »
1 2