Títulos, o batismo dos filmes estrangeiros

Na época dos grandes estúdios hollywoodianos, estes pediam aos funcionários das suas respectivas distribuidoras em países fora dos Estados Unidos, sugestões para títulos de seus filmes e com termos que estivessem em voga, inclusive para incluir nas legendas, nos países que as usavam, na época feitas por lá. Regularmente, remetiam as sinopses das produções com os títulos em inglês, pedindo […]

Continue lendo »

Bar com cinema

Lourival Mendes era um pioneiro de cinemas no velho oeste, não o velho oeste americano, mas do Paraná. Teve cinema nos verdes anos da cidade de Toledo, então quase um faroeste, que efervescente, vivia sua época de colonização. Na sua paixão por exibir filmes, Lourival comprou um projetor portátil 16 mm e se aventurava, um bandeirante da sétima arte, com […]

Continue lendo »

Almoço na casa de Cukor

O gentil e receptivo diretor cinematográfico americano George Cukor (1899 – 1983), dono de uma excelente cozinha na sua residência em Los Angeles, convidava colegas diretores para um almoço anual quando da entrega do Oscar. Sua casa era frequentada regularmente por Katharine Hepburn, Irene Selznik, Vivian Leigh, entre outros astros. Decorada com extremo bom gosto, situada perto da Sunset Strip, […]

Continue lendo »

O balé no cinema

Este tema foi diversas vezes abordado no cinema, mas alguns filmes se sobressaem em termos de coreografia, dança, música, pantomima e bailarinos, não apenas como pano de fundo para alguma trama. O filme inglês “Os sapatinhos vermelhos” (The red shoes, 1948) foi escrito, produzido e dirigido por Michael Powell e Emeric Pressburger, com Anton Walbrook, Marius Goring, Moira Shearer e […]

Continue lendo »

A publicidade na Cinelândia curitibana

No número 170 desta revista, abordei algumas promoções que gerentes de cinema, atuando como publicitários, movimentavam na principal avenida de Curitiba, além das fachadas e dos cartazes. Aqui vão mais algumas histórias. No início do cinema mudo em Curitiba, eram exibidos filmes curtos de um rolo (pouco mais de 10 minutos). Quando aparecia uma produção de dois rolos ou mais, […]

Continue lendo »

Mignone – Neschling

Francisco Mignone (1897-1986) nasceu em São Paulo e sua formação musical teve início com seu pai, flautista profissional. Estudou piano no conservatório, com mestres de origem italiana, já que, como escreveu Vasco Mariz, São Paulo (nesta época) era uma verdadeira extensão da Itália. Iniciou sua carreira na música popular sob o pseudônimo de Chico Bororó, conhecido por tocar nas rodas […]

Continue lendo »
1 2