Cérebro e mente

Muitas vezes confundidos um com o outro, alguns, inclusive, os tratam como sinônimo, porém cérebro é cérebro e mente é mente. Num exemplo simples que facilita em muito a compreensão, podemos fazer uma analogia com a computação. O cérebro é o “hardware”, um órgão físico que requer nutrição, descanso e exercícios. Já a mente seria o “software”, o sistema de funcionamento, o programa. Na verdade, o produto místico e misterioso de nossos pensamentos.

Vivemos em uma época de culto ao físico. Academias lotadas para que possamos tornear melhor nossas formas físicas. Milhões são gastos anualmente no desenvolvimento dos músculos, muitas vezes ignorando-se o cérebro, que merece muito de nossa atenção face à necessidade do cuidado para com ele na manutenção de nossa integridade cognitiva. Resultado em longo prazo: morte lenta de nossas células cerebrais. Vinte por cento delas ao longo de uma existência. Pior de tudo é que essa porcentagem com o avanço do estresse diário tem progredido.

Estudos mostram a diminuição significativa de nosso cérebro ao longo dos anos. Hoje temos imagens que comprovam muito bem isso, comprometendo a potência desse órgão. Um inimigo silencioso liberado nas situações de estresse chama-se cortisol. Em situações normais de nosso dia a dia é um hormônio fundamental, porém quando elevado bloqueia o uso de glicose pelo nosso cérebro, privando-o de sua principal fonte de energia, levando a um declínio de suas funções. Além dessa privação do uso de glicose pelo cérebro, o cortisol em excesso destrói seus mensageiros químicos chamados de neurotransmissores.

Entendeu por que as dificuldades de concentração e memória em algumas situações de estresse? Todas as vezes que a função dos neurotransmissores é interrompida ou o suprimento de combustível (glicose) cai, enfrentamos essa dificuldade.

Com o passar dos anos, com a degeneração física natural, o cérebro perde a capacidade de orquestrar adequadamente as glândulas secretoras de hormônios, que são o principal elo entre ele e o restante do corpo, levando a uma baixa na energia, no estado de humor, impulso sexual e função imunológica.

Exercícios físicos, caminhadas, enfim, atividades físicas em geral, são importantíssimos para um corpo saudável, mas para uma longevidade cerebral, devemos ler muito, fazer palavras cruzadas, sodoku, quebra-cabeças, etc. Enfim, é importante movimentar nosso cérebro para estarmos sempre criando novas conexões e estimulando nossos neurônios que são tão ou mais importantes que nossos bíceps.

Por isso, cuide de seus músculos, mas não se esqueça de cuidar também de seu computador chamado cérebro, para que você possa rodar um bom programa por meio de sua mente.

Deixe uma resposta