Não sou o inimigo

Não aguento mais ter que tomar partido, ser contra esse, a favor daquele, viver em conflito. Principalmente porque acredito que a verdade está sempre no meio do caminho. Vendo todos os lados da questão a razão geralmente está a meio-termo, e todos deveriam aprender a ceder.

Por isso me irrito muito com essa dicotomia obrigatória que alguns governantes insistem em nos colocar em todas as questões do nosso país. Essa tentativa de guerra civil, essa campanha da rivalidade, do ódio, do enfrentamento constante. Não aguento mais voz alta, gritaria, dedos em riste, donos da razão, incitamento.

Isso porque não sou esquerda, não sou direita, nem sou do centro. Não sou governo, não sou oposição. Não sou classe A, nem B, nem C, nem média alta, nem D, nem consigo classificar minha situação financeira atualmente. Não sou burguesa, não sou favelada, não sou “Dazelites”, não sou povão. Não sou coxinha, nem empadinha. Não sou ateia, não sou religiosa. Não sou maioria, nem minoria. Não sou filiada, não sou alienada. Não sou reacionária, não sou comunista, nem capitalista, não sou socialista. Não sou golpista. Sou simplesmente alguém que não quer ser rotulada, que não quer ser jogada contra grupos rivais, e principalmente, não sou a inimiga.

Não penso sempre pelo mesmo prisma, mudo de ideia, discuto, reflito.Coexisto. Hoje esse lado tem razão, no outro assunto não mais. Gosto das tuas ideias sobre isso, discordo sobre aquilo. Algumas vezes a razão não está com ninguém.

Está mais do que na hora de pararem com essa segregação social e intelectual. Isso não nos levará a um lugar melhor, não nos tirará da rua, não nos aquietará o coração. O que a gente precisa é jogar junto, e torcer pela união. A gente precisa agregar talentos para pensar em soluções que possam ser o começo de um caminho que todos possam trilhar juntos. A gente tem que buscar o caminho do meio. Todo mundo na mesma meta. Eu e você, PM e professor, pais e filhos, deputado e galeria, empregado e patrão, motorista e ciclista, morro e asfalto, presidente e nação.

Deixe uma resposta