Cinema. Ed. 170

Jornalismo é armazém

“Jornalismo é oposição o resto é armazém de secos e molhados”, já dizia Millôr Fernandes. A frase é boa, a realidade nem tão bela; e para quem acha que o jornalismo se tornou um armazém na atualidade, Billy Wilder em 1951 já mostrava que isso é conversa antiga ou talvez o pecado original. A seguir cinco indicações de filmes sobre jornalismo ou sobre armazéns de secos e molhados.

A montanha dos sete abutres, 1951

montanha

Foto: kosmorama.org

Charles Tatum é um experiente repórter que já rodou pelas mais importantes redações americanas. Depois de perder o emprego em todas elas por seu comportamento devasso e irreverente, cai em Albuquerque, Novo México, num pequeno jornal. Buscando apenas uma boa matéria para alavancar novamente sua carreira jornalística, vê uma oportunidade no soterramento de um rapaz na Montanha dos Sete Abutres. O que poderia ser um resgate simples torna-se complexo, pois Tatum manipula as autoridades para vender seus artigos e ganhar notoriedade. O filme foi baseado numa história real e teve a direção de Billy Wilder.

Todos os homens do presidente, 1976

APM2

Foto: Divulgação

Talvez o sonho de todo jornalista seja um dia poder ser Carl Berstein, interpretado por Dustin Hoffman, ou Bob Woodward (Robert Redford). Ambos, do Washington Post, investigaram o escândalo de Watergate e descobriram uma rede de espionagem e lavagem de dinheiro que culminou na renúncia do presidente Richard Nixon. Baseado nisso Alan Pakula dirigiu Todos os homens do presidente. Walter Coblenz, o produtor, também merece destaque uma vez que houve a reprodução fiel da redação do jornal: disposição das mesas, das máquinas de datilografar, estantes e salas. Neste filme pode ser visto como funcionava uma redação, além de ser uma aula de jornalismo investigativo.

A primeira página, 1974

film-speciale-premiere6

Foto: dvdclassik.com

É uma comédia com a direção de Billy Wilder e baseada na peça teatral de Ben Hecht e Charles MacArthur. Hildy Johnson (Jack Lemmon) é um experiente repórter que decide largar o jornalismo para se casar. A vida conturbada e intensa do jornalista já tinha afundado um casamento e para ter sucesso com a segunda mulher anuncia ao seu editor, Walter Burns (Walter Matthau), que irá mudar de cidade. Em sua despedida na sala de imprensa da delegacia ocorre, no entanto, um caso que protelaria sua viagem. E embora estivesse determinado a deixar o jornalismo, o jornalismo não o deixaria tão cedo.

O abutre, 2014

Night-crawler

Foto: independent.co.uk

O abutre revela um lado menos charmoso do jornalismo, porém não menos interessante. Louis Bloom (Jake Gyllenhaal) é um desempregado que vê a possibilidade de ascensão com o jornalismo criminal independente. Sem escrúpulos Bloom modifica cenas de crimes, filma mortos, provoca assassinatos, tudo isso para ter uma boa imagem e aquela imagem gerar uma boa notícia, para, sobretudo, render uma boa venda. O filme foi a estreia do diretor Dan Gilroy.

Mercado de notícias, 2014

o-mercado-de-noticias

Foto: Divulgação

Dirigido por Jorge furtado, Mercado de notícias é um documentário sobre o jornalismo, sem rodeios. São treze jornalistas que debatem sobre o que é, os entraves, as mudanças, os destaques, tudo sobre a profissão. Relevante para o jornalismo e jornalistas brasileiros porque discutem a realidade daqui. O título veio de uma peça homônima do dramaturgo inglês Ben Jonson, escrita em 1625, e partes foram encenadas para conduzir o documentário.

Deixe uma resposta