Prateleira. Ed. 171

Nabokov

lolita-olympia-press

Foto: Reprodução/site parisolympiapress.com

Vladimir Nabokov passou uma parte de sua vida a fugir, primeiro fugiu da instabilidade promovida pela Revolução Bolchevique em sua terra natal; em 1940, em Paris, teve que fugir da guerra e dos nazistas. Partiu, como muitos intelectuais da época, para os Estados Unidos. Lá lecionou literatura russa nas universidades. Após um ano no país americano publicou seu primeiro romance em inglês, assim como o seu clássico: Lolita, de 1955, que ganhou versão nas telas de cinema pelas mãos de Stanley Kubrick.

Fé e saber

JuergenHabermas_retouched

Jürgen Habermas. Foto: Reprodução/site endireitandoeendireitando.blogspot.com

O livro Fé e Saber foi um discurso proferido por Jürgen Habermas em 2001 após os atentados de 11 de setembro, a situação era o Prêmio da Paz concedido pelo comércio livreiro alemão, nacionalidade do autor. Neste discurso o filósofo mostra a importância da religião numa sociedade que está cada vez mais secularizada. De acordo com ele a presença crescente do Estado laico tira certos aspectos morais e humanos, para comprovar sua teoria cita a engenharia genética que quer “fabricar” certos tipos de humanos, a excluir desta forma o que há de mais humano no ser, a contingência.

Memória de minhas putas tristes

mc3a1rquez_putas

Foto: Divulgação

Gabriel García Márquez após anos sem escrever um livro aparece com Memória de minhas putas tristes, escrito e publicado em 2004 (no Brasil em 2005), conta a história de um velho cronista e crítico musical que quando completa 90 anos decide se presentear com uma ninfeta. Quando a vê dormindo, no entanto, não consegue consumar o ato por causa da falta de coragem em acordá-la e, ao invés de sexo, nasce uma paixão. As frases de efeito, como “O sexo é o consolo que a gente tem quando o amor não nos alcança”, distribuídas na obra conquistam os leitores.

Afirma Pereira

12439718_eVyBE

Foto: Divulgação

No Brasil foi editado pela Cosac Naify, em 2013, no entanto foi originalmente publicado em 1994. Afirma Pereira, narrativa de Antonio Tabucchi (1943-2012), que foi professor de literatura portuguesa na Universidade de Siena, recebeu um tratamento muito cuidadoso na escrita. De maneira repetitiva, conveniente e jamais cansativa, Tabucchi começa ou termina os parágrafos com “afirma Pereira”. Pereira é um jornalista português e católico no período Salazarista; como editor do caderno de cultura de um jornal apolítico – mas com tendências governistas – não quer se envolver com o regime. Para auxiliá-lo contrata um estagiário que pretende fazer “a revolução”, e quando Pereira se dá conta já está envolvido demais com a resistência ao salazarismo.

Hume

entendimento_humano

Foto: Reprodução/site leituras-cruzadas.blogspot.com.br

David Hume, filósofo escocês do século XVIII, o famoso Século das Luzes, escreveu Investigação sobre o entendimento humano de maneira didática para que as pessoas comuns, isto é, não-filósofas, entendessem o que ele queria dizer com sua principal obra: Tratado da natureza humana. Acreditando que tudo que pensamos e conhecemos está no mundo sensível, captado pelos sentidos, Hume nega a existência de Deus e diz que ele não passa de uma construção humana, caracteriza-o como um humano dotado das melhores e maiores qualidades. Foi tido como herético e foi deveras contestado por suas ideias.

Engraçadinha

Nelson-Rodrigues

Nelson Rodrigues. Foto: Reprodução/site elhombre.com.br

Nelson Rodrigues notabilizou-se por suas peças teatrais e suas crônicas, principalmente esportivas, além, é claro, por seu estilo sórdido. Mas também escreveu romances que estão a altura dos seus principais textos no teatro ou nos jornais, caso do romance Asfalto Selvagem, de 1960. A trama se passa em duas épocas: no início da década de 1940 e na década de 1960. Engraçadinha é uma jovem provocante e noiva do pacato Zózimo. Consegue seduzir a todos, provocando incesto, relação homossexual, ciúme, tragédia e até um perigoso triângulo amoroso. O tempo passa e os personagens se transformam, mas Engraçadinha não consegue se livrar de seu passado.

 

Mãe

maquina-de-fazer-espanhois

Foto: Reprodução/site livrada.com.br

Valter Hugo Mãe foi definido por Saramago como um “tsunami linguístico, semântico e sintático”, hoje figura entre os principais da literatura mundial e já é o mais aclamado autor português da atualidade. O livro a máquina de fazer espanhóis, que foi o segundo mais vendido no seu ano de lançamento (2010) no país luso, trata da história de um senhor que após perder a mulher vai viver num asilo e tenta redescobrir como viver, mas sem o pessimismo que naturalmente seria esperado. Além disso, o personagem faz uma revisão de seu passado e de uma geração.

Deixe uma resposta